"Ministro pastor é do tempo do 'bumba' e nocivo à educação", escreve editor do Dever de Classe

12/07/2020

COMPARTILHE!

Milton Ribeiro é adepto de castigos físicos como método de ensino, algo que se contrapõe a todas as formas de conhecimento, do Mito à Ciência. 

Publicidade

Landim Neto, editor do Dever de Classe. Foto: arquivo pessoal.
Landim Neto, editor do Dever de Classe. Foto: arquivo pessoal.

Educação | Por Landim Neto*. O presidente Bolsonaro anunciou o pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação. Internautas rapidamente descobriram — através de vídeos nas redes sociais — que o escolhido é um poço de reacionarismo e um homem terrivelmente retrógrado. 

Ribeiro defende castigos físicos como método de ensino e acha que o homem é que deve ser o 'mandão' da família. É, no dito popular, o que se pode chamar de pessoa do "tempo do bumba".

A expressão "tempo do bumba" refere-se a coisas velhas e ultrapassadas. O novo ministro é desse time. Não que seja velho na idade. Contudo, no tipo de ideia autoritária e imbecil que acredita, já está bastante puído, o que o torna nocivo à educação. 

Como pode alguém crer que uma criança deva sentir dor para se educar? E que papel educativo pode cumprir um ministro que secundariza a mulher na família e diz que o homem é que manda?

Ora, todas as formas de conhecimento — do Mito à Ciência — mostram que o ser humano é vocacionado ao prazer e ao bem-estar, algo que nada tem a ver com pancadaria, violência ou, muito menos, com opressão às mulheres.

É preciso tirar o pastor Milton Ribeiro desse "tempo do bumba" e trazê-lo para um tempo mais atual. E isto, ao que parece, já começou a ser feito. Devido à pressão que recebeu antes mesmo de tomar posse, apagou o vídeo onde defende castigos físicos a crianças. Se continuar o aperto, ele apaga mais...


*Landim Neto é professor da educação básica e editor do Dever de Classe

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....