Mesmo demitido, Sérgio Moro receberá imoralmente dos cofres públicos salários de quase 200 mil reais

03/06/2020

Benefício é uma espécie de compensação pela quarentena de seis meses que Moro terá que cumprir sem advogar.

COMPARTILHE!

Publicidade

Sergio Moro, ex-juiz moralista que agora se aproveita dos cofres públicos. Foto: Agência Brasil.
Sergio Moro, ex-juiz moralista que agora se aproveita dos cofres públicos. Foto: Agência Brasil.

Política | Segundo o blog Nocaute (2), o ex-juiz Sérgio Moro, mesmo após ser demitido por Bolsonaro do Ministério de Justiça, receberá dos cofres públicos R$ 186 mil até outubro deste ano. Valor mensal é de 31 mil reais. 

Pagamento com dinheiro do povo é uma espécie de compensação pela quarentena de seis meses que Moro terá que cumprir sem advogar. Nenhum trabalhador comum tem direito a esse tipo de privilégio. Continua, após o anúncio.

Leia também:

  1. Até na demissão, Moro é tratado como moleque por Bolsonaro
  2. Após delação de Moro contra Bolsonaro, veja os 7 crimes por trás das denúncias e as penas que os dois podem pegar

Reincidente

Sérgio Moro é reincidente em se aproveitar dos cofres públicos. Após passar parte da vida se locupletando das regalias de juiz, Moro se vendeu ao presidente Bolsonaro em troca de um cargo de ministro e de uma promessa de vaga no Supremo Tribunal Federal. Um autêntico oportunista. Continua, após o anúncio.

Recebeu auxílio-moradia indevidamente

Segundo matéria da Folha de S.Paulo de 2018:

Sérgio Moro, principal responsável pela operação Lava Jato, recebeu, desde 2014, o auxílio-moradia no valor de R$ 4.378, mesmo tendo imóvel próprio, localizado a 3 Km do local onde trabalha, em Curitiba. Além de oportunista, hipócrita. Recebeu dinheiro público de forma indevida.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.