Estados alegam queda na arrecadação e anunciam atraso de salários dos servidores

14/05/2020

Economia / Lista com pelo menos 13 estados mostra queda na arrecadação num momento em que despesas crescem por conta da pandemia de coronavírus.

COMPARTILHE!

Publicidade

Em vez de socorrer de forma satisfatória estados e municípios, presidente Bolsonaro opta por atacar isolamento social e acusa prefeitos e governadores de arruinar a economia. Foto: Agência Brasil
Em vez de socorrer de forma satisfatória estados e municípios, presidente Bolsonaro opta por atacar isolamento social e acusa prefeitos e governadores de arruinar a economia. Foto: Agência Brasil

O Globo publicou nesta quinta-feira (14) matéria onde mostra que governos alegam perdas na arrecadação por causa da pandemia de coronavírus. Em virtude disso, falam em atrasar salários do funcionalismo e pagamento de fornecedores. E isto a curto prazo. Ver lista ao final da matéria.

Queda nas receitas de estados e municípios, diz também o jornal dos Marinhos, traz ainda dificuldades para a adoção de medidas essenciais de combate ao coronavírus.

Situação se torna mais grave porque o governo Bolsonaro se nega a repassar recursos financeiros suficientes para que prefeitos e governadores possam, pelo menos momentaneamente, reequilibrar contas públicas. Continua, após o anúncio.

Situação delicada

O discurso de que a situação econômica de estados e municípios piorou e que salário do servidor pode atrasar é compartilhado por especialistas das mais diversas matizes ideológicas. Sobre isso, o economista e especialista em finanças públicas Raul Velloso diz no Globo (14):

Boa parte dos estados já estava praticamente falida. Com a queda de arrecadação, a situação se agrava e a oferta de serviços deve ser afetada.

Após o anúncio, veja lista parcial da situação das perdas de alguns estados. Embora contenha apenas 13 unidades da federação, analistas dizem que o problema atinge sem distinção todo o País.

Contramão

Em vez de socorrer de forma satisfatória os entes da federação, o presidente Bolsonaro opta por atacar isolamento social e acusa prefeitos e governadores de arruinar a economia. 

Até à data e horário de publicação desta postagem, Bolsonaro sequer havia sancionado o projeto de socorro aos estados aprovado pelo Congresso. 

A tática parece ser usar o próprio possível atraso de salários dos servidores para jogar estes contra os gestores que estão no comando de estados e municípios.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.