Governo e Senado acertam economia de R$ 130 bi em cima do  salário do funcionalismo

30/04/2020

Economia / Piso do Magistério e outros inúmeros reajustes poderão ficar impedidos por 18 meses. Medida atinge União, estados e municípios e é para ser votada em pleno sábado.

COMPARTILHE!

Publicidade

Imagem: Agência Brasil.
Imagem: Agência Brasil.

O governo Bolsonaro quer aprovar no Senado ainda neste fim de semana um projeto que visa economizar R$ 130 bilhões em cima dos salários do funcionalismo da União, estados e municípios. 

Informação foi divulgada com destaque nas últimas 24 horas por portais da grande mídia de todo o País. Reajuste do piso do magistério e inúmeros outros poderão ficar impedidos por 18 meses. Continua, após o anúncio.

Servidor paga a conta da pandemia

Medida, segundo explica Paulo Guedes, prevê congelamento por um ano e meio dos salários dos servidores. Objetivo: supostamente socorrer prefeitos e governadores em virtude da crise do coronavírus.

Em outras e poucas palavras: Bolsonaro e seus aliados no Congresso querem que o funcionalismo de todo o País pague a conta da pandemia. Continua, após o anúncio.

Desculpa esfarrapada

Segundo está no portal O Tempo, de Minas Gerais (29) o ministro Paulo Guedes deu a seguinte desculpa, para lá de esfarrapada: "O funcionalismo público é a terceira maior despesa do governo. Não pedimos corte, pedimos para não ter aumento. Com isso, vamos poupar R$ 130 bilhões que podemos repartir para os Estados. É simples como isso. A opinião pública vai aplaudir isso, esse ato do presidente do Senado."

A vontade de perseguir o servidor público é tamanha que o projeto está marcado para votação em pleno sábado, dia 2 de maio.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....