Ministro não deve negociar reajuste do magistério com inimigo dos professores

30/03/2023
Chefão da CNM quer mudar cálculo da correção salarial a partir de uma série de fake news sobre o tema, algo que Camilo Santana parece acreditar.

Piso do Magistério | Da série era só o que faltava. O ministro da Educação Camilo Santana compareceu nesta quarta-feira (29) a evento em Brasília da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e se comprometeu a negociar com Paulo Ziulkoski o reajuste anual do magistério, cujo percentual em 2023 é 14,95%

Consideramos preocupante tal promessa de negociação. Ziulkoski é o principal inimigo da correção salarial da categoria, e tem feito de tudo para sabotá-la, principalmente mandando prefeitos descumprir a lei a partir de fake news que, lamentavelmente, Santana dá indícios de acreditar.

Leia também: Chefão da CNM diz que estão errados os prefeitos que pagam o reajuste dos professores

Após o anúncio, confira trechos de falas dos dois que devem deixar todo mundo do magistério de orelha em pé. E confira também a equação que a  CNM quer do MEC e do ministro.


Veja o que Paulo Ziulkoski e Camilo Santana disseram, segundo matéria no site da CNM (29):

"O impacto [do reajuste] é de R$ 50 bilhões para os Municípios [somados os dois últimos anos]. É insustentável". (Paulo Ziulkoski). Grifos nossos.

No debate com Camilo Santana, o presidente da CNM vomitou também e novamente sua tese furada acerca de suposta "perda de eficácia legal do reajuste do piso", por conta da lei do novo Fundeb, aprovada em 2020. Tal falácia é desmentida por decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (SFT) em 2021.

Agora, confira a fala de Camilo Santana

"Não tem como o gestor ficar sem saber qual será o reajuste no fim do ano. Precisamos sentar à mesa para resolver isso. Não tenho dúvidas que todos são a favor da valorização do professor, mas precisamos encontrar uma equação."

Ora, senhor ministro, o gestor sabe desde sempre que o reajuste é pelo mesmo índice de crescimento do Custo Aluno dos dois anos anteriores, tal como reza o artigo 5º da lei 11.738/2008. Essa é a equação que o magistério defende. 

E todo gestor sabe também o que percentual é variável, como tudo em economia. O problema é que a equação que a CNM quer impor — algo que veremos mais abaixo — é extremamente prejudicial aos educadores. Por que então discutir mais arrocho para a categoria? Foi para isso que o presidente Lula (PT) foi eleito?

Continua, após o anúncio.

Rebatendo as mentiras da CNM

A alegação de que o reajuste do piso seria "insustentável" não procede, pois os recursos do Fundeb têm crescido bastante, conforme se pode conferir nos dados do Banco do Brasil. Além disso, o artigo 4º da lei do piso diz que a União complementa a correção salarial para o ente que provar que não tem os recursos. Portanto, essa história de "falta de dinheiro" é só fake news.

Quanto à questão da suposta "perda de eficácia legal" dos reajustes, o STF, em 2021 (um ano após a aprovação do novo Fundeb), julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) proposta em 2013 pelo governadores de Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí, Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina contra o artigo 5º da lei do piso, o que trata dos reajustes. Ou seja, o Supremo bateu o martelo sobre a constitucionalidade desse dispositivo que garante a correção salarial do magistério todo mês de janeiro. Ou seja, essa outra fake news de Paulo Ziulkoski também já foi desmentida.

Após o anúncio, veja a equação da CNM que o ministro Santana promete discutir, e o gráfico explicativo sobre os prejuízos que ela traz aos professores.

A equação da CNM: mudar cálculo do reajuste

A CNM fuça em Brasília para desengavetar o Projeto de Lei 3776/08. Tal PL reza que a correção salarial do magistério deixe de ser pelo índice de crescimento do custo aluno e seja indexada ao INPC dos últimos doze meses (inflação oficial do governo). Se isto estivesse em vigor, reajuste deste ano seria apenas 5,79% — que é o INPC do ano passado.

Observe agora o gráfico abaixo e veja os reajustes pelo Custo Aluno e pelo INPC.

A proposta da CNM, portanto, é uma bomba contra os professores. Categoria deve ficar atenta para que tal medida não seja aprovada no Congresso. E o ministro Camilo Santana não tem nada de ir discutir tal política de arrocho.

Siga-nos!

Cremos que você gosta de nossas publicações e quer nosso site sempre atualizado. Por isso, ajude com uma doação, pois temos vários custos a honrar todos os meses. Sem seu apoio, ficamos inviabilizados de dar sequência com regularidade ao nosso trabalho. Gratos, antecipadamente.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org

João R P Landim Nt

Colabore no Vaquinha

PIX

E-mail: 3435969@vakinha.com.br

Mais recentes sobre piso do magistério

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...

De acordo com o critério de correção anual, índice passa a ser 4,70%, e não os 3,62%, calculados com base em Portaria Interministerial anterior. E valor nominal sobe de R$ 4.480,57 para R$ 4.633,44. Estados e municípios receberão mais de meio bilhão de reais extras do Fundeb.