Entidade quer impedir o reajuste de 12,5% previsto para o piso do professor em 2022

20/09/2021

Categoria deve ficar alerta. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) — órgão ligado a prefeitos — tem um arsenal de medidas para tentar barrar o aumento dos educadores.

Publicidade

A Lei do Piso Nacional do Professor foi aprovada em todas as instâncias possíveis de deliberação. Além disso, foi confirmada como constitucional pelo STF. Tem, portanto, de ser cumprida. Imagem: aplicativo Canva.
A Lei do Piso Nacional do Professor foi aprovada em todas as instâncias possíveis de deliberação. Além disso, foi confirmada como constitucional pelo STF. Tem, portanto, de ser cumprida. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | A previsão de reajuste de 12,5% no piso do magistério (Lei Federal nº 11.738/2008) para primeiro de janeiro de 2022 está garantida em Portaria Interministerial do próprio governo federal. Esse percentual pode inclusive crescer ainda mais, haja vista o aumento das receitas de impostos.

CNM quer barrar

Apesar das garantias legais e das disponibilidades de receitas, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) — órgão ligado aos prefeitos — quer barrar o reajuste previsto dos educadores. 

Para tanto, faz muita pressão em Brasília junto aos parlamentares para mudar o cálculo do reajuste e, com isso, impedir que o magistério tenha qualquer ganho real no próximo ano.

Propôs o fim da lei do piso

Este ano, a CNM conseguiu inclusive que o deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA) apresentasse na Câmara o PL nº 2.075/21. Tal projeto extingue a lei do piso do magistério, acaba os reajustes pelo crescimento do custo-aluno (os 12,5% de 2022) e abre brechas para que os professores tenham a jornada semanal de aulas aumentada. Continua, após o anúncio.

Pressão fez deputado recuar, mas CNM tem outro projeto contra o magistério

Após muita pressão da CNTE e sindicatos da categoria, o deputado Hildo Rocha retirou de pauta esse projeto que extinguia o piso do professor. 

PL nº 3.776/2008

A CNM, no entanto, tem um outro dispositivo para tentar barrar o reajuste de 12,5% do magistério em 2022. É o PL nº 3.776/2008, para o qual faz lobby constante junto aos parlamentares.

Esse projeto prevê a mudança de cálculo no reajuste da categoria. Em vez do custo aluno, ficaria apenas a inflação oficial ou INPC dos últimos doze meses. Com isso, caso PL já estivesse aprovado, os 12,5% cairiam para no máximo cerca de 7,5%. Continua, após o anúncio.

Manobra

Este ano tentaram aprovar na Câmara esse PL nº 3.776/2008, utilizando-se inclusive de uma manobra, mas foram derrotados.

É preciso, portanto, que a categoria do magistério fique atenta. Até dezembro deste ano, prefeitos e governadores farão de tudo para impedir o reajuste de 12,5% estimado para janeiro do próximo ano.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Doar com PagSeguro

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.