Educação rejeita abono e decreta greve geral por tempo indeterminado! Saiba mais e compartilhe...

20/02/2018 09:45

Imagem: Dever de Classe
Imagem: Dever de Classe

Profissionais da educação exigem, dentre outras pautas, o pagamento imediato de 6,81% do piso do magistério. Greve deve se expandir para outros estados e municípios do País, vez que o piso da categoria é nacional

DA REDAÇÃO | Reunidos em grandiosa Assembleia Geral ontem (19), professores e demais profissionais do magistério da rede estadual de educação do Piauí decidiram entrar em greve geral por tempo indeterminado, em reação à política de abono apresentada pelo governador Wellington Dias (PT). Ver detalhes e malefícios da proposta mais abaixo.

Educadores exigem, dentre outras pautas, o reajuste imediato de 6,81% no piso nacional da categoria, autorizado pelo MEC para ser pago de forma linear desde janeiro último. 

O piso nacional do magistério contempla professores da educação básica pública de todos os estados e municípios do País. Portanto, é possível que mais educadores entrem também em greve geral Brasil afora. Ver detalhes e malefícios da proposta após o anúncio.

A absurda proposta do governo

No Piauí, a Greve Geral foi decretada porque em vez do cumprimento imediato do piso, o governador Wellington Dias (PT) ofereceu uma proposta de abono, chamado pelo governo de auxílio-alimentação, de 3,40%, retroativo a janeiro. Detalhe: é apenas para o pessoal da ativa, ou seja, os aposentados são excluídos da proposta. O restante, 3,41%, Dias promete pagar em maio próximo em forma de vencimento. 

Para o pessoal administrativo, 3,41%, também em forma de abono, ou seja, sem a inclusão dos aposentados. Esse percentual dos administrativos era para ter sido pago ainda em 2017. E em forma de vencimento. Ver mais da proposta após o anúncio.


Mais prejuízos

Além de excluir os aposentados do abono inicial de 3,41%, tal proposta traz ainda outros grandes prejuízos aos educadores. É que abono, como, se sabe, não incide sobre o pagamento do 13% salário nem do adicional de férias. Ou seja, mais perdas para a categoria.


Nova Assembleia-Geral

Os trabalhadores em educação da rede estadual do Piauí farão nova Assembleia Geral dia 27, terça-feira próxima, às 9h, no Clube do Sinte-Pi. Espera-se que lá até o governador Wellington Dias apresente uma proposta que atenda às reivindicações dos educadores e o ano letivo 2018 possa ser iniciado.

LEIA MAIS...

LEIA TAMBÉM: