CNM faz terrorismo contra piso dos professores e quer apenas 4,48% de reajuste!

18/01/2020

Educação / Nota da entidade traz uma sonora inverdade sobre o crescimento do piso e diz que o mesmo compromete os "esforços" dos gestores para "equilibrar" as contas públicas.

COMPARTILHE!

Publicidade

Educadores precisam ficar de olho e se mobilizar pelo índice de 12,84% já confirmado e previsto em lei. Imagem: aplicativo Canva.
Educadores precisam ficar de olho e se mobilizar pelo índice de 12,84% já confirmado e previsto em lei. Imagem: aplicativo Canva.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) lançou (17) Nota Pública em seu portal onde faz um verdadeiro terrorismo contra o reajuste de 12,84% no piso do magistério para este ano. Entidade diz em seu documento que a "melhor forma" é rebaixar o percentual para 4,48%, que corresponde ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2019. Continua, após o anúncio.

Leia também: Teresina anuncia cumprimento dos 12.84% de reajuste!

Terrorismo e inverdade

Para tentar convencer a opinião pública, CNM cita um suposto "impacto" de R$ 8,7 bilhões nos municípios e diz de forma inverídica que o piso já subiu 203,61% de 2009 para cá, o que, segundo essa entidade, atrapalha o "equilíbrio" das contas públicas. 

A verdade

É falso que o piso do magistério subiu 203,16% de 2009 para 2020. Dados do Sindicato dos Servidores Municipais de Teresina-SINDSERM-TE mostram que os reajustes foram: Ver após anúncio.

Reajustes (%)

7,86 (2009 para 2010) + 15,84 (2011) + 22,22 (2012) + 7,97 (2013) + 8,32 (2014) + 13,01 (2015) + 11,36 (2016) + 7,64 (2017) + 6,18 (2018) + 4,17 (2019 + 12,84 (2020).

TOTAL: 117, 41%.

Quanto ao suposto "impacto" de R$ 8,7 bilhões nas contas dos municípios, trata-se apenas de um número lançado sem qualquer possibilidade de verificação pelo magistério, uma vez que não há transparência por parte de prefeitos e governadores sobre o que de fato se arrecada e se gasta em estados e municípios. Continua, após o anúncio.

O que atrapalha

Em nossa opinião, o que atrapalha o equilíbrio das contas públicas são as isenções fiscais dadas a grandes grupos econômicos, o que faz diminuir a arrecadação dos entes federativos, seja União, estado ou município. 

Outro fator que joga os gastos públicos para as nuvens é o elevadíssimo número de regalias de prefeitos, governadores e presidente da república e seus protegidos. Isto sem falar na corrupção, denunciada quase diariamente em toda a mídia do País.

Portanto, a CNM precisa parar de chorar e deve é orientar prefeitos e governadores a cumprir a lei 11.738/2008 e pagar o piso.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...