Roubo de joias: indiciamento abala Bolsonaro e seu clã

05/07/2024

Segundo uma fonte ligada ao senador Ciro Nogueira, o ex-presidente estaria muito nervoso e com medo de terminar na cadeia, embora vá adotar a velha tática de dizer que é tudo perseguição

Compartilhe!

PIX Caixa: 

pix@deverdeclasse.org

PIX Vakinha:

3435969@vakinha.com.br

Sua contribuição é crucial, pois ajuda na cobertura dos custos mensais da página, para que possamos mantê-la atualizada. Obrigado.

aiu como uma bomba em Bolsonaro e seu clã o fato da Polícia Federal ter indiciado o ex-presidente como suspeito de se apropriar indevidamente de joias pertencentes ao país. Segundo uma fonte ligada ao senador Ciro Nogueira (PP-PI), o capitão estaria muito nervoso e com medo de terminar na cadeia, embora vá adotar a velha tática de dizer que é tudo perseguição.

Nervosismo não é para menos

Os crimes que constam no indiciamento de Bolsonaro são:
  • associação criminosa, 
  • lavagem de dinheiro e 
  • peculato (apropriação de bens públicos).

Caso tudo se confirme ou pelo menos parte das acusações, o ex-presidente pode passar alguns aninhos no xilindró, junto a outras 11 pessoas de sua turma que também foram indiciadas, incluindo ex-ministros e militares de alta patente.

Leia também:

Desgaste inevitável

Além do risco de cadeia, Bolsonaro e sua família sabem que o desgaste político também será inevitável. O capitão criou o mito de que é honesto, de que poderia ser chamado de tudo, menos de ladrão. Indiciado pela PF, órgão que exalta junto a seus seguidores, será difícil para ele agora convencer que tal polícia o está perseguindo. O mais provável é que perca muitos apoiadores, das alas menos fanáticas. Situação difícil, muito difícil.

Sem dormir

Para tirar ainda mais o sono do capitão, o  relatório final com conclusões e detalhes sobre os indiciamentos será encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do caso. Resta apelar ao Rivotril.

Anúncio

Compartilhe!

Tópicos relacionados:

Dez matérias mais recentes:

Projeto aprovado na Câmara é praticamente o mesmo criado no governo do golpista Michel Temer e só atende a interesses de privatistas. Estudantes terão de conviver com o monstrengo dos itinerários (de)formativos, e docentes terão sobrecarga de trabalho.