Bolsonaro ataca de educador e diz que aluno muito bom não deve se misturar com um menos inteligente

09/01/2021

O novo "teórico" da educação justifica sua "tese" com a ideia de fundo nazista segundo a qual os "alunos melhores" têm que estar longe dos "mais fracos", para que os primeiros não se contaminem e não haja um nivelamento por baixo dentro da sala de aula.

Publicidade

Bolsonaro, um desequilibrado dando palpite sobre Educação. Foto: Agência Brasil. Efeito na rotação: Dever de Classe.
Bolsonaro, um desequilibrado dando palpite sobre Educação. Foto: Agência Brasil. Efeito na rotação: Dever de Classe.

Educação | Após vomitar desde o início do ano passado uma série de sandices sobre o coronavírus e negar a vacina para evitar a doença, o presidente Jair Bolsonaro decidiu agora atacar de "educador" nazista e disse que alunos "muito bons" não podem ficar perto daqueles "menos inteligentes", para que não haja um nivelamento por baixo na sala de aula. Ver, após o anúncio.

Após a enquete, veja a declaração nazista do presidente.

A declaração do presidente, dada em 6/1, segundo o site do Correio Brasiliense:

"O que acontece na sala de aula: você tem um garoto muito bom, você pode colocar na sala com melhores. Você tem um garoto muito atrasado, você faz a mesma coisa. O pessoal acha que juntando tudo, vai dar certo. Não vai dar certo. A tendência é todo mundo ir na esteira daquele com menor inteligência. Nivela por baixo. É esse o espírito que existe no Brasil."

Tese de fundo nazista, sem rumo

Essa teoria do presidente é totalmente preconceituosa e contra a inclusão na educação especial defendida por educadores de verdade. E é também de fundo nazista, pois exalta alunos supostamente "superiores" em relação a outros que seriam "mais fracos". Continua, após o anúncio.

Guardadas as devidas e necessárias distâncias históricas, a ideia de separar "alunos mais inteligentes" de "alunos mais fracos" defendida por Bolsonaro lembra muito os campos de concentração nazistas criados por Hitler em nome da famigerada raça ariana. Não podemos aceitar que isto retorne.

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.