Bolsonaro cria mais de 1.000 novos cargos e gratificações para agraciar militares

02/09/2021

Os novos benefícios — uma espécie de mensalão legalizado — serão acrescentados aos extras que oficiais já recebem para ocupar cargos comissionados no governo. Dinheiro já está reservado para o ano de 2022: quase R$ 55 milhões.

Publicidade

Para os militares, tudo. Para o povo, covid, desemprego e arrocho salarial. Foto: Agência Brasil.
Para os militares, tudo. Para o povo, covid, desemprego e arrocho salarial. Foto: Agência Brasil.

Política | Quando se trata de agradar militares, o presidente Jair Bolsonaro é super capaz. O capitão esquece a crise econômica e arranja dinheiro às pressas e à vontade.

Na previsão de orçamento que entregou dia 31 de agosto ao Congresso, Bolsonaro reservou R$ 54,943 milhões para bancar 1.029 novos cargos e gratificações para agraciar ainda mais os fardados que estão na burocracia do governo federal, seja na Presidência da República ou nos ministérios. Continua, após o anúncio.

Na prática, é uma espécie de mensalão extra e legalizado pago com dinheiro público. Enquanto isso, muitos continuam a morrer de Covid-19, e o desemprego, fome e arrocho salarial aterrorizam milhões em todo o País.

Mamata pode ser barrada

A ideia do presidente Bolsonaro de dar mais dinheiro público a militares pode ser barrada. Proposta de emenda à Constituição de autoria da deputada Perpétua Almeida (PC do B-AC) proíbe presença de militares da ativa no governo. Projeto foi apresentado em julho e deve entrar em breve em discussão.

Com informações de: O Globo (01/09/2021 • 09:00)

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre política

Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...