Apenas PT, PSOL, PCdoB e Rede votaram 100% contra a privatização do Fundeb

13/12/2020

O chamado "centrão" e todos os partidos de direita votaram maciçamente para privatizar o Fundo. Maioria do PDT e PSB votou com a esquerda, mas alguns capitularam e seguiram a 'direitona'.

Publicidade

Deputada Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT-PR). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados.
Deputada Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT-PR). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados.

Educação | Segundo levantamento feito pelo Congresso em Foco e repercutido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), apenas PT, PSOL, PCdoB e Rede votaram 100% contra a privatização do Fundeb na sessão da Câmara que regulamentou esse Fundo na última quinta-feira (10). 

Os partidos de direita e o chamado "centrão" votaram maciçamente para transferir o dinheiro público de alunos e profissionais do magistério para as escolas particulares. Continua, após o anúncio.

PSB e PDT

Maioria dos parlamentares do PSB e PDT votou com a esquerda, isto é, contra a privatização do Fundeb. Mas alguns capitularam e seguiram a política criminosa da direita de repassar verbas das escolas públicas para a iniciativa privada.

Levantamento

O Dever de Classe está organizando listas da votação por Estado, para que se veja de forma mais detalhada o nome, a cara e o partido de quem votou a favor ou contra os interesses da escola pública. Aguarde.

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre o que foi aprovado na Câmara. 

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.