STF desengaveta ação contra piso do magistério e reajuste deste ano pode ser suspenso

27/03/2020

Educação / Querem usar o momento de crise para tornar inconstitucional o reajuste dos educadores. E quem já recebeu, terá que devolver?

COMPARTILHE!

Publicidade

Ministros Dias Toffoli, Celso de Mello e Ricardo Lewandowisk, durante sessão do STF. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.
Ministros Dias Toffoli, Celso de Mello e Ricardo Lewandowisk, durante sessão do STF. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil.

O reajuste de 12,84% relativo ao piso dos professores deste ano corre o risco de ser suspenso. Dia 3 de abril próximo, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a Ação Direta de InconstitucionalidadeADI4.848, que visa tornar inconstitucional o reajuste anual do magistério.

O processo foi movido em 2012 por seis governadores. E agora, em plena crise de coronavírus, ADI é desengavetada, o que pode prejudicar milhares de docentes em todo o Brasil. 

De acordo com o site do STF, os seis governadores que deram entrada há oito anos contra o reajuste dos educadores são dos seguintes estados: Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí, Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina.

Como fica?

Caso o Supremo torne o reajuste do piso inconstitucional, o que ocorrerá com quem já recebeu os 12,84% ou parte deste índice? Terá que devolver? E no futuro próximo, o que poderá ocorrer com toda a categoria? Saiba, após o anúncio.

Leia também:

O que pode ocorrer

Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação — CNTE:

"Caso o STF modifique a interpretação da Lei [11.738/2008] — coisa que a CNTE lutará para que não ocorra, inclusive atuando no julgamento virtual —, o reajuste de 2020 poderá ser suspenso e o Congresso Nacional instado a rediscutir o critério de atualização do piso. Outra alternativa consiste em o próprio Tribunal modular o art. 5º da Lei 11.738 (algo mais difícil de ocorrer nesse caso específico), sendo que as duas situações acarretariam perdas para o magistério." Continua, após o anúncio.

Segundo o advogado Cláudio N Sousa, consultado pelo Dever de Classe, ainda que o Supremo acate a Ação dos governadores e suspenda o reajuste do piso, medida não deve valer para quem já recebeu. No entanto, pondera, "tudo é possível quando se trata de prejudicar os trabalhadores, principalmente os da educação."

Uma coisa é certa, porém, alerta o jurista: "Caso o reajuste do piso se torne inconstitucional, magistério perderá bastante, pois a fórmula do cálculo será mudada e as correções serão apenas pelo INPC acumulado de cado ano, a inflação oficial, como querem prefeitos e governadores, o que reduz bastante os índices de reajuste."

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...