Reforma premia elite do funcionalismo e cria legião de 'desvalidos' em outra ponta

24/02/2020

COMPARTILHE!

Economia / Setores como educação, saúde e outros vitais para o serviço público nada têm a ganhar com a Reforma Administrativa anunciada pelo governo.

Publicidade

Foto: Agência Brasil.
Foto: Agência Brasil.

Após o carnaval, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que enviará ao Congresso a Pec da Reforma Administrativa

Se aprovada, medida mudará para muito pior o serviço público no Brasil, pois premiará uma pequena elite do funcionalismo, em detrimento de setores-chave, como saúde e educação. 

Pelo que veículos da grande mídia já anteciparam, projeto criará uma espécie de apartheid funcional, pois passará a existir legalmente servidor de primeira, segunda e terceira categorias. Continua, após o anúncio.

Elite e 'desvalidos'

Projeto, sem exageros retóricos, propõe transformar em lei duas categorias de servidores públicos no Brasil. Uma que permanecerá com todos os direitos atuais, inclusive estabilidade. E outra, sem estabilidade, carreira ou qualquer perspectiva de crescimento salarial. Uma espécie de 'desvalido' funcional.

Essa categoria dos 'desvalidos' será dividida em duas. Um setor amplo dela — enquadrado como terceira categoria — nem servidor público mesmo será, pois já entra com data marcada para demissão. O outro, a segunda categoria, também será regido sob semelhante arrocho. Continua, após o anúncio.

Atuais servidores:

Os atuais servidores, caso a reforma passe, também serão duramente atingidos, ao contrário do que o governo e parte da mídia diz. Leia mais sobre isso AQUI.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PayPal

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...