Professores talvez só retornem às aulas presenciais no segundo semestre de 2021, prevê analista

30/11/2020

COMPARTILHE!

Publicidade

Indefinição de vacina contra Covid-19, reajuste zero no piso nacional do magistério e efeitos danosos da PEC 32 sobre os salários do docentes são fortes elementos contra o retorno às escolas.

Salas de aulas tendem a continuar vazias. Imagem: aplicativo Canva.
Salas de aulas tendem a continuar vazias. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | O Dever de Classe consultou o cientista social e educador Caio T Moreira sobre as possibilidades de retorno às aulas presenciais logo no primeiro semestre de 2021, em particular nas escolas da educação básica pública. 

O pesquisador aponta alguns elementos que, segundo ele, talvez levem a abertura das escolas públicas e privadas apenas para o segundo semestre do ano que vem. Confira, após o anúncio.

Leia também:

Por que o senhor acha que as aulas presenciais talvez só voltem no segundo semestre de 2021?

Nas escolas públicas e particulares, há dois fatores comuns que indicam que dificilmente abrirão pra valer no primeiro semestre do ano que vem: indefinição da vacina contra a Covid-19 e ameças de novas ondas da doença. Quando isto será de fato resolvido? As autoridades não parecem ter respostas convincentes. Enquanto isso, a tendência é que tudo permaneça fechado, até porque a maioria dos pais também não se sente segura em mandar os filhos para as escolas. Continua, após o anúncio.

E em relação apenas às escolas públicas de estados e municípios?

Além da questão da pandemia, há também pelo menos dois outros fortes agravantes. O governo Bolsonaro publicou uma portaria interministerial que zera o reajuste do piso do magistério para 2021. Parece-me que é a primeira vez que isto ocorre. Os professores vão querer voltar à sala de aula com  o risco de contaminação e ainda sem qualquer promessa de aumento em seus salários? Dificilmente. Continua, após o anúncio.

E o outro fator?

É a PEC 32, a Reforma Administrativa do governo Bolsonaro. Esse projeto que já está no Congresso prejudica todo o funcionalismo, em particular os educadores. Quando os docentes forem se dando conta do que vem de ruim por aí, se desestimularão mais ainda para retornar às escolas.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.