Notícia de reajuste zero no piso do magistério em 2021 revolta professores de todo o País

28/11/2020

COMPARTILHE!

Publicidade

Até professores que apoiam o presidente Bolsonaro estão indignados com a medida. 

Educação | Centenas de milhares de professores em todo o País estão indignados com a notícia de que em 2021 o piso nacional do magistério terá reajuste zero. 

Até educadores que apoiam o presidente Bolsonaro estão revoltados com a medida tomada pelo governo federal que impede qualquer correção do piso no próximo ano. Continua, após o anúncio.

Leia mais:

Depoimentos

Pelas redes sociais, muitos professores se manifestaram contra o reajuste zero e a atitude do presidente Bolsonaro. Veja alguns exemplos de depoimentos e faça também um comentário, dando sua opinião.

"Estou decepcionada com o nosso presidente. Mas eu acho que ele não está sabendo disso", comenta no Facebook a professora Kátia Avelino, de Curitiba.

"Isto já era esperado. Esse mito desgraça odeia professor e educação", desabafa também pelas redes sociais o educador Paulo Silva, de Recife.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Destaque para nomeação de Hitler como chanceler da Alemanha; nascimento de Lewis Carrol, autor de "Alice no País das Maravilhas; nascimento de Mozart; Libertação de Auschwitz, na Polônia; tragédia na boate Kiss e término oficial da Guerra do Vietnam.
Destaque para Independência do Peru, Concílio de Trento, mudança do nome de Petrogrado para São Petesburgo, maior diamante do mundo, nascimento de Angela Davis — filósofa socialista estadunidense, inauguração da General Motors no Brasil.
Percentual de 14,95% foi definido no final de dezembro e já estava previsto pela evolução das estimativas do custo aluno em 2022. Já estava definido também o aumento do complemento da União, que passa de 15% para 17%, bem como a reposição dos recursos perdidos por conta na redução das alíquotas de ICMS. "Estudos" é para empurrar com a barriga...