Queda na popularidade de Bolsonaro faz presidente da Eletrobras pedir demissão do cargo

25/01/2021

Wilson Ferreira assumiu a empresa em 2016, após o golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff (PT. Era o homem forte das privatizações na estatal e sai porque não acredita mais que Bolsonaro chegue até ao fim do governo.

Publicidade

Wilson Ferreira Júnior, o homem forte das privatizações. Foto/Reprodução.
Wilson Ferreira Júnior, o homem forte das privatizações. Foto/Reprodução.

Economia | Após todo o Brasil ser sacudido com atos grandiosos pelo impeachment do presidente Jair BolsonaroWilson Ferreira Júnior — o homem forte das privatizações na Eletrobras — pediu demissão do cargo. O burocrata assumiu em 2016, após o golpe que derrubou a presidenta Dilma (PT). 

Embora alegue questões pessoais para abandonar o governo, a motivação maior é outra. Wilson Ferreira Júnior não acredita mais que Bolsonaro chegará ao fim do mandato, o que inviabiliza a política privatista na empresa. Matéria do Globo (25) traz essa indicação. Veja, após o anúncio.

Sem perspectivas

Segundo matéria do Globo (25):

Ferreira vinha dizendo a pessoas próximas que ficaria na estatal até perceber que, de fato, a privatização não avançaria. Segundo essas fontes, a saída dele pode indicar que os planos da equipe econômica para privatizar a empresa estão cada vez mais distantes de serem realizados.

Esse é o motivo maior do pedido de demissão. Wilson Ferreira não acredita mais no governo Jair Bolsonaro. É o começo do fim desse genocida.

Bolsonaro com os dias contados. Foto JB/Reprodução.
Bolsonaro com os dias contados. Foto JB/Reprodução.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....