Prefeito homofóbico do PSDB acusa professor de promover "viadagem" e demite o educador

31/08/2021

Docente foi imoral e ilegalmente punidos apenas porque exibiu clipe do Criolo. Ato criminoso do gestor foi repudiado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Publicidade

Homofobia é crime. Imagem: aplicativo Canva.
Homofobia é crime. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | Segundo notícia (30) no site da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o prefeito de Criciúma (SC) — Sr. Clésio Salvaro (PSDB) — demitiu na quarta-feira passada (25) um professor de artes da rede municipal de ensino apenas porque o educador exibiu em sala de aula o clipe da música Etérea, do cantor Criolo

A faixa possui contexto LGBTQIA +, o que atiçou a homofobia e demagogia do gestor tucano. O ditador acusou o docente de promover "viadagem" em sala de aula. Continua, após o anúncio.

"Viadagem"

Nas redes sociais, de acordo também com a CNTE, o prefeito homofóbico declarou que o conteúdo do clipe do cantor Criolo tratava-se de "viadagem". "Não permitimos, não toleramos, está demitido o profissional. Nas escolas do município, enquanto eu estiver aqui de plantão, isso não vai acontecer, esse tipo de atitude, essa 'viadagem' na sala de aula, nós não concordamos. E se os pais souberem de algo parecido que foi exposto para os seus filhos, por favor, entre em contato com o município ", afirmou.

Ato de demissão do professor, além de imoral, não tem amparo na lei, pois cabe aos docentes decidirem o que vão usar como material didático para abordar qualquer tema. 

Esse prefeito deveria pelo menos rezar, para ver se se livrava dessa sua odienta homofobia.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".