Câmara agenda discussão do Piso Nacional do Secretário Escolar

20/09/2021

Piso será de R$ 1.731,74 mensais e valerá para as escolas da Educação Básica da União, Estados, Distrito Federal e Municípios. 

Publicidade

Todos os profissionais que atuam nas escolas — públicas ou privadas — merecem uma melhor valorização. Imagem: arquivos Webnode.
Todos os profissionais que atuam nas escolas — públicas ou privadas — merecem uma melhor valorização. Imagem: arquivos Webnode.

Educação | A Câmara dos Deputados agendou para esta terça-feira (21) o projeto que institui o Piso Nacional do Secretário Escolar. De autoria dos deputados federais Eduardo Bismark (PDT-CE) e Professor Israel Batista (PV-DF), projeto reza que:

Art. 2º O piso salarial profissional nacional do secretário escolar será de R$ 1.731,74 (mil setecentos e trinta e um reais e setenta e quatro centavos) mensais, para o portador de certificado de formação técnico em nível médio na especialidade. Continua, após o anúncio.

§ 1º O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar a remuneração das carreiras do secretário escolar, para uma jornada de 40 (quarenta) horas semanais. 

§ 2º Os valores remuneratórios iniciais referentes às demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, proporcionais ao valor mencionado no caput deste artigo. 

Art. 3º O valor de que trata o art. 2º desta Lei poderá ser composto pelo vencimento básico e demais gratificações e vantagens sobre as quais incidam contribuição previdenciária. 

Compartilhe e curta mais abaixo nossa página no Twitter Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.