Pec que propõe calote em 'R$ 54 bi' dos professores será discutida hoje na Câmara

05/10/2021

Projeto já passou na CCJ da Câmara. Governo Bolsonaro quer dar um calote nos precatórios da União. Caso medida seja aprovada, profissionais do magistério serão muito prejudicados.

Bolsonaro e Paulo Guedes querem usar dinheiro dos trabalhadores no projeto eleitoreiro "Auxílio Brasil". Foto: Agência Brasil.
Bolsonaro e Paulo Guedes querem usar dinheiro dos trabalhadores no projeto eleitoreiro "Auxílio Brasil". Foto: Agência Brasil.

Educação | A Pec 023/21 — que propõe calote em precatórios devidos pela União — será discutida hoje às 9:00 horas na Câmara dos Deputados. Projeto é de autoria do governo Bolsonaro e já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) dessa casa legislativa. Na ocasião, parlamentares do PT, PSOL, PCdoB e PSB votaram 100% contra a medida caloteira do governo. Continua, após o anúncio.

Professores no prejuízo

No caso específico dos precatórios do antigo Fundef, incluído nessa Pec 023/21 do governo Bolsonaro, o valor é de cerca de R$ 90 bilhões. Destes, R$ 54 bilhões (60%) são para pagamento de indenizações aos docentes. Já existe inclusive um Projeto de Lei na própria Câmara que reconhece esse direito dos professores. Com essa "Pec do Calote", contudo, caso pode emperrar. Continua, após o anúncio.

Tramitação

Para a aprovação definitiva de uma PEC, são necessários pelo menos 308 votos na Câmara e 49 no Senado Federal, em dois turnos. 

Em relação à "Pec do Calote", primeiro passo já foi dado.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.