Carta branca para matar | Com Bolsonaro, greves de trabalhadores poderão ser tratadas à bala! Saiba mais e compartilhe...

23/12/2017 11:28

Bolsonaro disse que vai dar carta branca para a PM matar em serviço. Como os policiais tiram também serviço reprimindo greves, isto significa que poderão usar bala de verdade contra os grevistas

DA REDAÇÃO | Segundo amplamente noticiado na chamada "grande mídia" nacional, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse que, se eleito, vai dar "carta branca" para a polícia matar em serviço.

Segundo matéria do Uol Notícias (14.12.2017), Bolsonaro declarou: "Nós vamos brigar pelo excludente de ilicitude. O policial militar em ação responde, mas não tem punição. Se alguém disser que quero dar carta branca para policial militar matar, eu respondo: quero sim." (Continua após o anúncio).

Barbárie

Dentre outros absurdos, isto significa que, na prática, se a PM for escalada para reprimir trabalhadores grevistas poderá usar arma de fogo e até matar quando um movimento estiver com os ânimos mais acirrados. Em recente greve de professores do Paraná, muitos docentes foram brutalmente espancados por policiais militares. (Continua após o anúncio).

Caso a regra Bolsonaro estivesse em vigor, PMs poderiam ter usado contra os educadores paranaenses não apenas cassetetes, balas de borracha, spray de pimenta e outros apetrechos repressivos. 

Os policiais poderiam ter atirado com bala de verdade e ter assassinado muita gente. Como estariam em serviço, seriam julgados mas não punidos, conforme propõe Bolsonaro. É a legalização da barbárie.


Insano

De acordo ainda com a matéria do Uol: "A Constituição do Brasil veda pena de morte. Autorização para policiais matarem em serviço não ocorre sequer em guerras e nem foi legalizada no país nos períodos de maior repressão como no regime militar." A proposta de Bolsonaro, portanto, é a expressão mais bem acabada de um ser insano.

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | O anúncio de que o Estado do Rio de Janeiro ficará sob o comando de uma intervenção militar até o final deste ano provocou muitas discussões em todo o País. Um setor minoritário de classe média comemora a iniciativa. Vários especialistas no assunto, entretanto, alertam que tal medida é golpista, demagógica, eleitoreira e ineficaz para...