BRASÍLIA | Governo lança propostas aos servidores públicos de todo o país e funcionalismo responde à altura! Leia e compartilhe...

02/08/2017 10:59

DA REDAÇÃO | O "presidente" Michel Temer (PMDB) lançou no final do mês de julho último uma série de propostas (todas indecentes) aos servidores públicos de todo o país, em particular aos da União e Estados. O teor de todas elas, para o funcionalismo desses dois grupos (ver mais abaixo), é baseado em congelamento salarial, supressão de direitos e até demissão. 

Em resposta, através de pesquisas livres pelas redes sociais (vote na enquete ao final da matéria), o funcionalismo tem dito não a todas essas medidas. A chamada "grande mídia", financiada em parte com recursos do Governo Federal, esconde a insatisfação dos servidores e só posta matérias a favor dos projetos do Palácio do Planalto.

Veja o que propõe o desgoverno Temer para os servidores federais, através da Medida Provisória MP nº 792:

  1. Exoneração, através de um Programa de Desligamento "Voluntário", onde quem aceitar leva apenas 1,25 salário por ano trabalhado. (Leia mais aqui).
  2. Redução salarial proporcional a redução de carga horária, onde o servidor pode perder até 50% de sua remuneração. (Leia mais aqui).
  3. Licença sem remuneração por até seis anos. (Leia mais aqui).

Para os estaduais, através de Decreto Presidencial e Lei Complementar LC nº 159:

  1. Congelamento salarial. (Leia mais aqui)
  2. Proibição de quaisquer acréscimos de vantagens ou crescimento na carreira. (Leia mais aqui).
  3. Programa de Demissão Voluntária. (Leia mais aqui)

Até a data e horário de fechamento desta postagem, uma grande maioria de internautas disse não aos macabros planos de Temer para os servidores públicos do país. 

Vote na enquete abaixo e deixe também sua opinião:

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | O deputado Jair Bolsonaro (PSL-Rio) é só um laranja do PSDB, embora tenha conquistado uma legião de seguidores que tem forte antipatia pelos tucanos. Por que os fãs do "mito" não percebem que estão sendo enganados? Porque se guiam muito pela emoção e não por qualquer ínfimo sentido de racionalidade.