Câmara destaca arquivamento de PL que obriga docentes a fazer exame toxicológico

02/12/2021

Eduardo Bolsonaro é o principal autor da absurda proposta, que expressa o total descaso e desconhecimento desse ridículo parlamentar em relação aos reais problemas da educação básica pública e seus profissionais.

Lata de lixo é o lugar para Eduardo Bolsonaro e seu ridículo projeto que objetiva constranger os professores. Foto/reprodução.
Lata de lixo é o lugar para Eduardo Bolsonaro e seu ridículo projeto que objetiva constranger os professores. Foto/reprodução.

Educação | A Agência Câmara de Notícias deu destaque na quarta-feira (1) ao arquivamento do Projeto de Lei 3928/20. De autoria dos deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Marcelo Brum (PSL-RS), absurda e ridícula medida obriga docentes a fazer exame toxicológico anual de uso de drogas ilícitas, como crack, maconha, cocaína e outras. 

PL também impõe o mesmo teste na admissão do educador nas redes públicas de ensino de estados, DF e municípios. Projeto foi rejeitado por maioria na Comissão de Educação. Continua, após o anúncio.

Lixo

A Agência Câmara de Notícias destaca também:

"Pelas regras da Câmara, como foi rejeitado na única comissão de mérito, o projeto será arquivado. Havia a possibilidade de apresentação de recurso para votação da proposta no Plenário, mas isso não aconteceu no prazo previsto (cinco sessões do Plenário)."

Lata de lixo é o lugar para Eduardo BolsonaroMarcelo Brume e o ridículo e absurdo projeto que objetiva constranger os professores.

Vote na enquete

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".