Donos do Estadão querem pressa na PEC que corta até 25% nos salários dos servidores!

28/01/2020

Economia / Meta do governo Bolsonaro é que votação da medida ocorra em fevereiro, o que atingirá de forma muito negativa o pessoal da União, estados e municípios.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil.
Foto: Agência Brasil.

Donos do jornal Estadão publicaram editorial nesta terça-feira, 28, onde exigem que o presidente Bolsonaro articule com o Congresso para que a PEC Emergencial (186/2019) seja aprovada com urgência. 

Medida prevê corte de até 25% no salário e jornada de servidores públicos da União, estados e municípios que ganhem acima de três salários mínimos, ou seja R$ 3.135,00. Governo quer que medida seja votada em fevereiro, o que atingirá de forma muito negativa o pessoal da União, estados e municípios. Continua, após o anúncio.

"Evitar um colapso"

O título do texto já é muito claro na exigência: "A urgência da PEC Emergencial". Durante toda exposição, o que se vê é um poderoso veículo de imprensa tentando provar de forma demagógica e cínica que a tal PEC que reduz salários é necessária para "evitar um colapso" administrativo, econômico e social no País. 

Desde quando cortar salário de, por exemplo, professor, médico e enfermeiro será bom para evitar o que o editorial do jornalão afirma?

Interesse privado

Mas por que mesmo o Estadão quer pressa no corte no salário de servidores? A resposta é simples: tal como Globo, Folha e outros de grande porte, os donos desse jornal vivem do que recebem de poderosos grupos econômicos que anunciam em suas páginas. O enxugamento do Estado significa mais recursos para esse setor em forma de pagamentos das dívidas públicas, isenção de impostos etc, etc, etc. É o interesse privado que está por trás do editorial do Estadão. A preocupação deles com os interesses coletivos é ZERO.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....