Bolsonaro deu R$ 1,3 trilhão para 'agiotas' e apenas 4,26% do Orçamento para Saúde e 2,49% para Educação

31/01/2021

Em 2020, meia dúzia de rentistas do mercado financeiro abocanharam quase 40% de tudo o que se arrecada com impostos e tarifas no País. O povo trabalha para sustentar parasitas.

Publicidade

Presidente Bolsonaro e ministro Paulo Guedes governam para os muito ricos. Foto: Agência Brasil.
Presidente Bolsonaro e ministro Paulo Guedes governam para os muito ricos. Foto: Agência Brasil.

Economia | O site do Painel do Orçamento Federal diz que o Orçamento Federal Executado (pago) em 2020 foi de R$ 3,535 TRILHÕES. Desse total, R$ 1,381 trilhão — 39,08% do montante — foi usado pelo governo Bolsonaro apenas para pagar juros e amortizações da Dívida Pública, que só favoreceu meia dúzia de rentistas do mercado financeiro, ou seja, quem já é rico demais. Enquanto isso, Saúde ficou com 4,26% e Educação 2,49%. Essa é a corrupção legalizada que a Globo & Cia nunca denunciam. Após o anúncio, veja a divisão geral do Orçamento e o percentual destinado a cada setor.

COMO O ORÇAMENTO FEDERAL 2020 FOI DIVIDIDO

Juros e amortizações da Dívida Pública: R$ 1,381 trilhão — 39,08% do montante. Favoreceu meia dúzia de rentistas do mercado financeiro. Abocanharam a maior fatia do bolo.

  • Educação: 2,49%
  • Saúde: 4,26%
  • Previdência Social: 20,34%
  • Transferência a estados e municípios: 9,72%
  • Assistência Social: 3,31% Continua, após o anúncio.
  • Auxílio Emergencial: 8,29%
  • Trabalho: 2,15%
  • Defesa Nacional: 2,07%
  • Segurança Pública: 0,30%
  • Outros: 1,44%

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...