Preço da cesta básica cresce, penaliza trabalhador e deixa a classe média bolsonarista 'na deprê'

06/10/2021

A classe média bolsonarista sofre mais, pois tem de defender um governo que lhe tira o poder de exercitar o consumismo com o qual foi educada. Até a libido diminui.

Bolsominions ficam para baixo porque são vítimas do monstro Bolsonaro que ajudam a alimentar. Foto ilustrativa: aplicativo Canva.
Bolsominions ficam para baixo porque são vítimas do monstro Bolsonaro que ajudam a alimentar. Foto ilustrativa: aplicativo Canva.

Economia | Levantamento do Dieese divulgado nesta quarta-feira (6) mostra que o preço da cesta básica em setembro subiu em 11 capitais, de um total de 17 pesquisadas por esse respeitado departamento. 

Alta nos alimentos e outros produtos básicos prejudica mais o trabalhador, que vive de baixos salários, sobretudo os subempregados, que estão agora sob as novas regras trabalhistas criadas por Michel Temer-Jair Bolsonaro. Uma vergonha.

Classe média bolsonarista na deprê

Não é somente o trabalhador, contudo, que sofre com o elevado custo da cesta básica. "A classe média bolsonarista sofre até mais, pois tem de defender um governo que lhe tira o poder de exercitar o consumismo com o qual foi educada. Até a libido desse setor diminui", diz a psicóloga Ana Carla N B Falcão. Após o anúncio, ela fala um pouco mais sobre o assunto.

Por que a classe média bolsonarista sofre até mais que o trabalhador com a alta dos preços da cesta básica?

Esse setor, no geral, tem um forte deficit cognitivo. Por isso, não consegue entender sequer por que defende um governo que lhe tira o poder de exercitar o costumeiro consumismo com o qual foi educado. Em decorrência, vem angústia, irritação, aumento do ódio contra Lula e o PT, enfim, a ignorância sem limites. Nem sexo essa turma consegue fazer. Está derrubada, pra baixo, na deprê...

Tem jeito?

Sim, mas é uma saída que não conseguem enxergar, pois precisariam votar em Lula, para que o dólar caísse e pudessem ir novamente à Disney, ou trocar de carro e pagar gasolina mais barata. Além, claro, de poderem ir a um supermercado de novo sem se assustar com os preços nas prateleiras. Mas isso, essa classe média não consegue enxergar. Paga o preço da ignorância. Triste.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org

João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre economia

Montante é 12,32% a mais que o recebido no mesmo período de 2022. Levando-se em conta que o reajuste do magistério deste ano (14,95%) é 18,29% menor que o de 2022 (33,24%), nada justifica dizer que não há dinheiro para a correção salarial deste 2023.
Com o Fundeb, montante sobe para 5,8 bi, isto é, 1,2 bi a mais. Recurso é referente ao 3º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste mês de janeiro, maior 23,65% em relação ao mês período de 2022. Dados mostram que é possível cumprir reajuste do magistério deste 2023.
Não é pouco dinheiro. Só de salário, em 2022 foram R$ 260.717.886. Em 2023, parlamentares já tiveram 16,37% de aumento neste mês de janeiro e terão mais 6,12% em abril, o que elevará a conta ainda mais. Isto sem falar nas incontáveis outras regalias que têm. Confira tabela.