Diz não ter orçamento para absorventes, mas torra quase R$ 1 milhão/mês com gastos pessoais

08/10/2021

"Viagens, churrascos, lancha, jet ski, passeios de moto, comida e bebida". Tudo pago com Cartão Corporativo da Presidência da República. Desse jeito não tem mesmo dinheiro para custear uma pequena ajuda a mulheres pobres.

A mamata acabou? Foto/reprodução.
A mamata acabou? Foto/reprodução.

Economia | Causou indignação — até entre aliados do Planalto — o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto da deputada Marília Arraes (PT-PE), que prevê a distribuição gratuita de absorventes higiênicos para estudantes, mulheres em situação de vulnerabilidade e presidiárias. Segundo a 'grande mídia' noticiou, o capitão alega que o 'governo não dispõe de orçamento' para isso.

Farra com Cartão Corporativo

O que Bolsonaro não explica é como mesmo na 'crise', ele e família fazem verdadeiras farras com Cartão Corporativo da Presidência da República, ou seja, com dinheiro público. Continua, após o anúncio.

Recorde de quase R$ 1 milhão por mês

Segundo o jornalista Ricardo Kertzman, do jornal Estado de Minas (17/08/2021), o capitão & cia fizeram gastos com "viagens, churrascos, lancha, jet ski, passeios de moto, comida e bebida". De janeiro a agosto, cerca de R$ 6 milhões, perto de R$ 1 milhão por mês. Um recorde na história dos presidentes. Tudo vindo das tetas do governo. A mamata não acabou.

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org

João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre economia

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.