Fim da clandestinidade: argentinas conquistam o legítimo direito ao aborto! E no Brasil?

30/12/2020 09:49

Aborto legal, no hospital", gritava uma multidão à favor da medida. A vice-presidente do país — Cristina Kirchner — comandou a histórica sessão no Senado. Muita comemoração. Vitória das mulheres na Argentina deve repercutir no Brasil.

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Mundo | Acabou o aborto clandestino na Argentina. Em sessão histórica que durou 12 horas, as mulheres argentinas conquistaram na madrugada de hoje (30) no Senado o direito de abortar em qualquer situação, desde que até à 14ª semana da gravidez. Antes, interrupção no país só era permitida em casos de estupro e risco de morte da mãe.

O presidente Alberto Fernandez e a vice Cristina Kirchner foram favoráveis ao projeto. Cristina comandou a votação. Foram 38 votos a favor e 29 contra, além de 1 abstenção.

Comemoração

Festa é grande. "Aborto legal, no hospital", gritava uma multidão à favor da medida, enquanto alguns saíram cabisbaixos e lamentaram a derrota pelas ruas em algumas cidades do país. 

Decisão deve repercutir no Brasil. Após o anúncio, vote na enquete e veja mais detalhes da importante decisão argentina.

Vote na enquete!

Acabou a criminalização e as mortes em clínicas clandestinas

Com a decisão do Senado argentino, acaba a criminalização e, naturalmente, abortos feitos em clínicas clandestinas e sem qualquer estrutura hospitalar no país. Tais procedimentos ceifavam a vida de muitas mulheres das classes sociais mais baixas ou, no mínimo, lhes deixava com sequelas graves para o resto da vida. As filhas da burguesia e da classe média alta não corriam esse risco, pois quando abortavam o faziam em estabelecimentos médicos com total segurança.

Outra sociedade, outro Estado

"Amanhã a sociedade argentina já não será mais a mesma. O Estado não será o mesmo porque não continuará a nos empurrar à clandestinidade. Conquistamos nosso poder de decidir", afirmou a senadora Anabel Fernández Sagasti, uma das últimas a discursar e a defender o voto favorável à aprovação. (Folha de S.Paulo, 30/11/2020). Continua, após o anúncio.

Repercussão no Brasil

Histórica e importante decisão Argentina repercutiu no Brasil. Enquanto pelas redes sociais esquerda e progressistas comemoram, conservadores — ligados principalmente ao presidente Bolsonaro  — dizem que senadores argentinos são criminosos. Os chorosos fazem parte da mesma turma que apoia assassinato e prisão de criança que rouba um biscoito em algum grande supermercado de nossas cidades. 

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes...