Urgente | Sob pressão, Guedes tira servidores de estados e municípios de parte da Reforma! Saiba mais e compartilhe...

18/02/2019 15:53

Paulo Guedes, o super ministro da Economia do governo Bolsonaro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.
Paulo Guedes, o super ministro da Economia do governo Bolsonaro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.

Por receio de mobilizações, Paulo Guedes cortou o trecho da reforma dedicado ao funcionalismo público

Economia | Segundo matéria publicada hoje (18) na Folha de S.Paulo, o ministro Paulo Guedes — por receio de pressão — decidiu cortar "da Reforma da Previdência trecho dedicado aos servidores públicos." Medida, também de acordo com matéria da Folha, "coloca em xeque o destino da reforma nos municípios e, especialmente, nos estados."


O que sai em relação aos servidores

Diz a Folha: "Pessoas que acompanham os ajustes finais na reforma da Previdência, e que falaram na condição de anonimato, explicam que foram retirados da proposta de reforma", dentre outros pontos: 

  • "Exigência de contribuição extraordinária dos servidores em caso de déficit do sistema."  
  • "Transformação da Previdência pública em fundo de pensão."


Positivo

Caso Paulo Guedes permaneça com medo das pressões do funcionalismo e mantenha os referidos cortes, será muito positivo para os servidores. 

Primeiro, porque não terão que pagar mensalidades extras toda vez que prefeitos e governadores desviarem dinheiro da previdência. E segundo, porque ficarão livres de pagar previdência privada, o que na prática são os fundos de pensão. Continua, após o anúncio.

Pode avançar

Recuo de Paulo Guedes em relação aos servidores de estados e municípios é sinal claro de que, se os trabalhadores em geral se mobilizarem, reforma pode ser derrotada de conjunto no Congresso Nacional. Eles têm medo das lutas do povo.

O próprio funcionalismo deve estar muito atento em relação às mobilizações que virão, pois embora Guedes tenha recuado, servidores deverão ser enquadrados no eixo geral da reforma, que implica em idades mínimas de 62 anos para mulheres, e 65 para homens.  

E cresce também a alíquota  de contribuição do servidor, que passa a ser de 14% nos estados e municípios onde esse percentual ainda não é aplicado. Mas é possível avançar e manter intacta a aposentadoria do servidor.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também: