Só o povo nas ruas pode impedir que Bolsonaro instaure uma nova ditadura no Brasil

31/01/2020

Política / A esquerda e todos os setores democráticos devem parar de acreditar em instituições ilusórias e em políticos velhacos e calhordas, como Rodrigo Maia ou FHC. É preciso chamar o povo para barrar o fascista.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Não há muito o que falar, tergiversar ou escrever. O Palácio do Planalto já está tomado por militares. Um general já é o chefe da Casa Civil. Uma manifestação pró golpe — convocada pelo próprio fascista-mor — ocorreu em 15 de março e outra no último domingo, 19. O presidente Bolsonaro está decidido a instaurar uma nova ditadura no Brasil. Continua, após o anúncio.

Só o povo pode barrar o fascista

A esquerda e todos os setores democráticos devem parar de acreditar em instituições ilusórias e chamar o povo para barrar o fascista.

O STF, a mídia comercial, a OAB e políticos velhacos e calhordas como FHC ou Rodrigo Maia não vão impedir Bolsonaro de consolidar seu plano. Continua, após o anúncio.

Essa turma toda ajudou o fascista a chegar ao governo. Todos apoiaram o golpe que derrubou a presidenta Dilma (PT). Todos apoiaram a prisão de Lula. Todos apoiam a política econômica do aprendiz de ditador.

Reiteramos: só o povo pode impedir que Bolsonaro instaure novamente uma ditadura no Brasil.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Doar com PayPal

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Destaque para nomeação de Hitler como chanceler da Alemanha; nascimento de Lewis Carrol, autor de "Alice no País das Maravilhas; nascimento de Mozart; Libertação de Auschwitz, na Polônia; tragédia na boate Kiss e término oficial da Guerra do Vietnam.
Há recursos carimbados do Fundeb — em alta — desde 2021. Complemento da União sobe de 15% para 17%, e veto garante reposição de dinheiro perdido em 2022 por conta da redução na alíquota de ICMS. E ainda tem o Art. 4º da Lei 11.738/2008 a favor dos 14,95%.
Destaque para Independência do Peru, Concílio de Trento, mudança do nome de Petrogrado para São Petesburgo, maior diamante do mundo, nascimento de Angela Davis — filósofa socialista estadunidense, inauguração da General Motors no Brasil.