Pedagoga explica por que o ministro comete tantos erros crassos de Português!

11/01/2020

COMPARTILHE!

Publicidade

Abraham Weintraub, ministro da Educação. Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil.
Abraham Weintraub, ministro da Educação. Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil.

Educação / Pesquisadora aponta três causas básicas para o grave problema.

A pedagoga Patricia C Ramos explica mais abaixo por que o ministro da Educação Abraham Weintraub comete tantos erros básicos de Português. A pesquisadora aponta três possíveis causas básicas para o grave problema. Leia, após o anúncio.

Em sua opinião, por que o ministro da Educação comete tantos erros crassos de português?

Há duas explicações básicas para isso. Uma é a de que ele talvez tenha sido alfabetizado precariamente. E a outra é relacionada ao hábito da leitura. Parece que o ministro não gosta de ler.

O ministro é de classe média, filho de médico. Como poderia ter sido alfabetizado precariamente?

É muito comum que crianças, mesmo oriundas da classe média, apresentem indisposição para fazer os exercícios solicitados no início da vida escolar. No caso da ortografia, são aqueles do uso das letras: S, SS, Z, SC, C, Ç, J, G, X, CH e por aí vai. É a repetição desse tipo de exercício que ajuda, a partir da infância, a memorizar a escrita correta das palavras. É provável que Weintraub tenha sido um garoto daqueles que não gostam de fazer as tarefas. Continua, após o anúncio.

E quanto ao hábito de leitura do ministro?

Mesmo com alfabetização precária, é possível na fase adulta uma pessoa superar suas deficiências quanto ao uso correto da língua. Uma das maneiras mais eficazes é ler em boas fontes, onde a escrita esteja correta, de acordo com as normas ortográficas. Ao entrar em contato visual com as palavras, a pessoa também as memoriza, pois o signo verbal escrito é uma espécie de "imagem" como outra qualquer. Quanto mais você ver, mas ela fica retida em sua mente. Esse tipo grosseiro de erro que o Weintraub comete repetidamente é próprio de quem é avesso aos livros. O lamentável é que ele é o ministro da Educação. Um detalhe que ia esquecendo de dizer: caso o ministro tenha sido alfabetizado de forma satisfatória e goste de ler, a situação se torna mais grave ainda, pois denota uma demência precoce, do tipo que faz a pessoa esquecer o que aprendeu. Se isto for real, ele deveria se afastar do cargo para um tratamento.

Fonte: BLOG DO POVO

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.