Reforma Administrativa prejudicará atuais funcionários, principalmente os professores

21/02/2020 12:49

COMPARTILHE!

Educação / Carreiras, vantagens e salários ficarão achatados e avaliação de desempenho será criada para demitir concursados já aprovados em estágio probatório.

Publicidade

Presidente Jair Bolsonaro preside a 28ª Reunião do Conselho de Governo. Foto: Marcos Corrêa/PR/Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro preside a 28ª Reunião do Conselho de Governo. Foto: Marcos Corrêa/PR/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro quer que a Reforma Administrativa seja aprovada no Congresso ainda no primeiro semestre deste ano.
Medida atingirá atuais e futuros servidores, principalmente os do magistério de estados e municípios.

O governo federal e a grande mídia tentam esconder isso a todo custo. Continua, após o anúncio.

Principais prejuízos da reforma

Para os futuros servidores:

  • Salário inicial mais baixo, à base de no máximo um salário mínimo e meio para a maioria dos cargos.
  • Fim da estabilidade. Servidor será contratado como trainee durante três anos e depois será automaticamente demitido.
  • Carreiras, para os cargos que tiverem, não possibilitarão ascensão salarial. Ideia do governo é permitir alguma promoção só perto da aposentadoria. Após o anúncio, veja o que pode vir para os atuais servidores e o pessoal do magistério.

Para os atuais servidores:

  • Adequação dos planos de carreiras às novas regras que poderão ser criadas, tal como ocorreu com a Reforma da Previdência. Medida promoverá congelamento salarial e, na prática, significará o fim de qualquer ascensão funcional.
  • Criação de Avaliação periódica de Desempenho para demitir concursados já aprovados em Estágio Probatório.

Para os professores especificamente:

  • Imposição das novas regras para os futuros docentes e adequação das mesmas para os atuais.
  • Piora da qualidade de vida, pois os professores, principalmente os de estados e municípios, já ganham muito pouco e praticamente não têm direitos. Por isso, a curto prazo, os efeitos da reforma serão mais perversos para os docentes. Após o anúncio, veja um exemplo concreto de como a reforma afetará o magistério.

Observe parte do contracheque de um professor da Rede Estadual do Piauí e o esclarecimento em seguida:

A seta indica que o docente está no Nível III. A mudança de nível no Piauí pode ser requerida de cinco em cinco anos e possibilita um ganho financeiro para o professor. Quanto maior o nível, maior a remuneração. Se a reforma do Bolsonaro for aprovada, esse tipo de incentivo acaba. Quem entrar não terá direito. E quem já adquiriu fica com o benefício congelado para sempre. Direito semelhante a esse, com outros nomes, existe em todo o País, seja no magistério ou outras áreas.

Fora

Segundo a mídia nacional e o próprio governo federal têm dito, as chamadas carreiras de Estado poderão ficar de fora da reforma. Ou seja, quem ganha mais será protegido.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...