Urgente | Nova "aposentadoria especial" dos professores desagrada docentes! Veja comparativo e compartilhe...

07/02/2019
A reforma da previdência é o principal projeto do governo Bolsonaro. Medida trará enormes prejuízos aos trabalhadores, em particular aos docentes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
A reforma da previdência é o principal projeto do governo Bolsonaro. Medida trará enormes prejuízos aos trabalhadores, em particular aos docentes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Com reforma, dificilmente um professor conseguirá se aposentar no futuro, inclusive a curto prazo. Quadro comparativo ao final da matéria comprova isso

Educação | A divulgação feita esta semana pela "grande mídia" — em particular pelo Estadão — sobre o projeto de reforma da previdência do governo Bolsonaro desagradou os trabalhadores de maneira geral, e os professores especificamente. Para aliados do governo na Câmara e Senado, bem como para muitos prefeitos e governadores, contudo, docentes não têm do que reclamar. Dizem os palacianos que se a reforma for aprovada mestres continuarão a gozar de "regalias" e "aposentadoria especial" em relação aos demais trabalhadores. Porém, quadro comparativo sintético mostra o contrário. Ver ao final da matéria a aposentadoria especial como é hoje e a "aposentadoria especial" proposta por Bolsonaro.

Leia também: Bolsonaro acaba aposentadoria especial dos professores e torna obrigatória a contagem de pontos!


"Regalias"

Dizem os governistas que, enquanto a idade mínima para os demais trabalhadores passa a ser 65 anos para aposentadoria de homens e mulheres, a dos professores passaria para apenas 60, cinco a menos, portanto. Seria a "regalia" número 1. Na regra de transição, dizem os aliados do governo, docentes serão também muito "privilegiados", pois terão que atingir somente a pontuação máxima de 100 anos (tempo de contribuição + idade) para poderem se aposentar. Seria a "regalia" número 2, pois para os demais trabalhadores essa pontuação está estimada em 105 anos.


Quadro comparativo

No entanto, embora o governo e seus defensores queiram convencer que a reforma no geral é boa, e que os professores manterão a "regalia" da aposentadoria especial, o quadro comparativo abaixo mostra o contrário. Se aprovado, projeto do governo extingue as regras atuais, o que fará com que dificilmente um professor consiga se aposentar no futuro, inclusive a curto prazo. Veja e tire suas próprias conclusões.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também:

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.
Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.
Dinheiro é do FPM e vem com acréscimo de 26,16% em relação ao mesmo período de 2021. O acumulado do ano é de quase R$ 38 bilhões. Municípios não podem alegar falta de recursos para honrar compromissos, como por exemplo cumprir o reajuste dos professores.