Crise no governo e rejeição popular adiam reforma contra os servidores

04/03/2020

COMPARTILHE!

Economia / Projeto arrasa com o funcionalismo e com serviços públicos essenciais, principalmente nas áreas de saúde e educação. Muitos parlamentares temem desgaste por conta da medida.

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

A Reforma Administrativa — um dos principais projetos do governo Bolsonaro — empancou e não foi enviada ao Congresso, tal como prometeram o próprio presidente e seu ministro da Economia Paulo Guedes. Medida era para ter sido encaminhada ainda em fevereiro, após o carnaval. Crise entre governo e parlamentares, e rejeição popular à medida estão por trás do adiamento. Reforma arrasa o funcionalismo, principalmente os de setores-chave como saúde e educação. Continua, após o anúncio.

Crise e rejeição popular

Segundo a grande mídia tem noticiado, governo e Congresso estão em cabo de guerra pelas fatias do Orçamento da União. Isto contribuiu muito para que a reforma fosse adiada. Outro fator que pesou sob esse aspecto é a rejeição popular à medida. Nos bastidores de Brasília, deputados e senadores argumentam que reforma afetará bastante a imagem de quem ajudar a aprová-la.

É verdade. Veja síntese do projeto e entenda por que até os até os governistas têm receio de aprová-lo.

Fim da estabilidade e achatamento de salários e carreiras

A Reforma, segundo o próprio ministro da Economia Paulo Guedes já adiantou, tem basicamente dois pilares: fim da estabilidade e achatamento de salários e carreiras. 

Meta é nivelar maioria dos servidores aos setores super explorados da iniciativa privada. Servidores das chamadas 'carreiras de Estado deverão ser poupados dos efeitos nocivos do projeto. Cúpulas do judiciário e Ministério Público, além das Forças Armadas, devem também ficar fora da medida. Continua, após o anúncio.

Atuais servidores

Ao contrário do que o governo diz, atuais servidores serão também prejudicados. O próprio ministro da AGU deixou um forte sinal sobre isso ao declarar: "E, a partir dessa perspectiva macro, que tem de um lado a boa eficiência e a governança pública, manter a estrutura do Estado para que o Estado não possa ser cooptado por interesses ilegítimos."

Ou seja, na concepção errônea do ministro, os atuais servidores representam interesses ilegítimos do Estado.

Especialistas preveem que caso a reforma seja aprovada, a curto e médio prazos estados e municípios adaptarão seus planos de carreiras para enquadrar atuais servidores no projeto. Após o anúncio, uma síntese do que poderá ser a reforma.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PayPal

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...