Crise no governo e rejeição popular adiam reforma contra os servidores

04/03/2020 09:31

COMPARTILHE!

Economia / Projeto arrasa com o funcionalismo e com serviços públicos essenciais, principalmente nas áreas de saúde e educação. Muitos parlamentares temem desgaste por conta da medida.

Publicidade

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

A Reforma Administrativa — um dos principais projetos do governo Bolsonaro — empancou e não foi enviada ao Congresso, tal como prometeram o próprio presidente e seu ministro da Economia Paulo Guedes. Medida era para ter sido encaminhada ainda em fevereiro, após o carnaval. Crise entre governo e parlamentares, e rejeição popular à medida estão por trás do adiamento. Reforma arrasa o funcionalismo, principalmente os de setores-chave como saúde e educação. Continua, após o anúncio.

Crise e rejeição popular

Segundo a grande mídia tem noticiado, governo e Congresso estão em cabo de guerra pelas fatias do Orçamento da União. Isto contribuiu muito para que a reforma fosse adiada. Outro fator que pesou sob esse aspecto é a rejeição popular à medida. Nos bastidores de Brasília, deputados e senadores argumentam que reforma afetará bastante a imagem de quem ajudar a aprová-la.

É verdade. Veja síntese do projeto e entenda por que até os até os governistas têm receio de aprová-lo.

Fim da estabilidade e achatamento de salários e carreiras

A Reforma, segundo o próprio ministro da Economia Paulo Guedes já adiantou, tem basicamente dois pilares: fim da estabilidade e achatamento de salários e carreiras. 

Meta é nivelar maioria dos servidores aos setores super explorados da iniciativa privada. Servidores das chamadas 'carreiras de Estado deverão ser poupados dos efeitos nocivos do projeto. Cúpulas do judiciário e Ministério Público, além das Forças Armadas, devem também ficar fora da medida. Continua, após o anúncio.

Atuais servidores

Ao contrário do que o governo diz, atuais servidores serão também prejudicados. O próprio ministro da AGU deixou um forte sinal sobre isso ao declarar: "E, a partir dessa perspectiva macro, que tem de um lado a boa eficiência e a governança pública, manter a estrutura do Estado para que o Estado não possa ser cooptado por interesses ilegítimos."

Ou seja, na concepção errônea do ministro, os atuais servidores representam interesses ilegítimos do Estado.

Especialistas preveem que caso a reforma seja aprovada, a curto e médio prazos estados e municípios adaptarão seus planos de carreiras para enquadrar atuais servidores no projeto. Após o anúncio, uma síntese do que poderá ser a reforma.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PayPal

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...