Aprovada a Pec do senador bolsonarista que desobriga gastos constitucionais com Educação

21/09/2021

Medida abre um perigoso precedente que pode prejudicar escolas públicas e seus profissionais toda vez que ocorrer algum problema no País, como a pandemia de Covid-19.

Publicidade

Atualizada em 22/09/2021, às 05:56

Senador bolsonarista Marcos Rogério é o autor da medida que propõe calote nas verbas da Educação. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.
Senador bolsonarista Marcos Rogério é o autor da medida que propõe calote nas verbas da Educação. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.

Educação | Por 60 votos a favor, 14 contra e nenhuma abstenção, Senado aprova nesta terça-feira (21) a Pec nº 13/21, que desobriga estados e municípios de aplicar os recursos constitucionais financeiros mínimos para a Educação em 2020 e 2021.

Precedente

Medida abre um perigoso precedente que pode prejudicar escolas públicas e seus profissionais toda vez que ocorrer algum problema no País, como o coronavírus. 

Em 2021, por exemplo, pela primeira vez os professores deixaram de ter o reajuste nacional no piso do magistério.

Educação paga a conta

Projeto é do senador bolsonarista Marcos Rogério (DEM-RO). Para tentar justificar sua medida, parlamentar usou os gastos com a pandemia de Covid-19. Ou seja, a educação é que paga a conta da doença. Continua, após o anúncio.

Fundeb preservado

Apesar da votação da Pec 13/21, oposição conseguiu que o mínimo de 70% dos recursos do Fundeb continuassem para o pagamento dos professores. 

Ficou assegurado também que as verbas da Educação não seriam misturadas com as da Saúde, o que certamente traria problemas para as duas pastas, em particular para a do setor educacional.

Pec 13/21 segue agora para votação na Câmara dos Deputados.

Assista à sessão no Senado

Com informações de: Agência Senado


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook e Twitter, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar uma doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre economia

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.
Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.