Pandemia faz tempo de estudo dos brasileiros despencar, em particular nas escolas públicas, diz FGV Social

25/12/2020

Segundo a instituição, tempo de estudo caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos, ou seja, queda de quase 50%. 

Publicidade

Maioria dos alunos das escolas públicas não dispõe de recursos tecnológicos para acompanhar aulas remotas. Imagem: arquivos Webnode.
Maioria dos alunos das escolas públicas não dispõe de recursos tecnológicos para acompanhar aulas remotas. Imagem: arquivos Webnode.

Educação | Segundo matéria da Folha de S.Paulo (24), o tempo de estudo dos brasileiros em tempos de pandemia caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos, ou seja, queda de quase 50%. Os mais prejudicados, diz também a Folha, foram os alunos mais pobres, mais jovens e periféricos, em particular das escolas públicas. Continua, após o anúncio.

Diz a Folha:

"A mãe de todas as desigualdades é a desigualdade de educação, que vinha caindo há 40 anos. Isso não só foi interrompido, mas revertido pela pandemia. É uma cicatriz, que tem efeitos permanentes. O vento que soprava a favor começa a soprar contra. Isso vai deixar sequelas", afirma Marcelo Neri, diretor da FGV Social. 

Segundo a instituição, o tempo de estudo dos brasileiros caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos. Essa queda foi maior entre os alunos de escolas públicas, entre os alunos mais pobres, mais jovens e periféricos. Continua, após o anúncio.

A Folha continua:

Alunos de escola pública de 6 a 15 anos estudaram 2 horas e 18 minutos na pandemia, enquanto os de instituições privadas tiveram 3 horas e 6 minutos de aulas. Entre as pessoas que recebem Bolsa Família, foram 2 horas e 1 minuto.

No Pará, 42% dos estudantes do ensino médio não estudaram porque não receberam material. Em Santa Catarina, eram 2%.

Curta abaixo nossa página no Facebook para receber atualizações sobre este tema!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....