Pandemia faz tempo de estudo dos brasileiros despencar, em particular nas escolas públicas, diz FGV Social

25/12/2020

Segundo a instituição, tempo de estudo caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos, ou seja, queda de quase 50%. 

Publicidade

Maioria dos alunos das escolas públicas não dispõe de recursos tecnológicos para acompanhar aulas remotas. Imagem: arquivos Webnode.
Maioria dos alunos das escolas públicas não dispõe de recursos tecnológicos para acompanhar aulas remotas. Imagem: arquivos Webnode.

Educação | Segundo matéria da Folha de S.Paulo (24), o tempo de estudo dos brasileiros em tempos de pandemia caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos, ou seja, queda de quase 50%. Os mais prejudicados, diz também a Folha, foram os alunos mais pobres, mais jovens e periféricos, em particular das escolas públicas. Continua, após o anúncio.

Diz a Folha:

"A mãe de todas as desigualdades é a desigualdade de educação, que vinha caindo há 40 anos. Isso não só foi interrompido, mas revertido pela pandemia. É uma cicatriz, que tem efeitos permanentes. O vento que soprava a favor começa a soprar contra. Isso vai deixar sequelas", afirma Marcelo Neri, diretor da FGV Social. 

Segundo a instituição, o tempo de estudo dos brasileiros caiu de 4 horas por dia para 2 horas e 23 minutos. Essa queda foi maior entre os alunos de escolas públicas, entre os alunos mais pobres, mais jovens e periféricos. Continua, após o anúncio.

A Folha continua:

Alunos de escola pública de 6 a 15 anos estudaram 2 horas e 18 minutos na pandemia, enquanto os de instituições privadas tiveram 3 horas e 6 minutos de aulas. Entre as pessoas que recebem Bolsa Família, foram 2 horas e 1 minuto.

No Pará, 42% dos estudantes do ensino médio não estudaram porque não receberam material. Em Santa Catarina, eram 2%.

Curta abaixo nossa página no Facebook para receber atualizações sobre este tema!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...