Ao falsificar currículo, novo ministro da Educação pode pegar até 6 anos de cadeia, diz jurista

27/06/2020

COMPARTILHE!

Carlos Alberto Decotelli declarou ter curso de Doutorado, mas foi desmentido pelo reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina.

Publicidade

Carlos Alberto Decotelli, ministro da Educação. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil.
Carlos Alberto Decotelli, ministro da Educação. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil.

Em sua conta no Twitter, o  jurista Marcelo Uchôa diz que Carlos Alberto Decotelli — novo ministro da Educação — infringiu o Código Penal, ao mentir sobre sua formação acadêmica. Os crimes cometidos por Decotelli, segundo Uchôa: falsificação de documento público e falsidade ideológica. Nestes casos, a pena de reclusão pode chegar a até 6 anos e multas, informa o jurista. Veja, após o anúncio.

O que diz o jurista no Twitter:

O caso

Carlos Alberto Decotelli declarou na Plataforma Lattes que concluiu curso de Doutorado na Universidade Nacional de Rosário, na Argentina. O reitor da Instituição, Franco Bartolacci, no entanto, o desmentiu publicamente.

Após o vexame e a desmoralização internacional, Decotelli resolveu alterar seu currículo Lattes e admitir que não defendeu tese de Doutorado.

O novo ministro é militar, oficial da reserva da Marinha. Um péssimo exemplo para os estudantes brasileiros.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...