A partir de 2020, professores terão que chegar a até 100 anos em pontos para se aposentar! Leia e compartilhe...

08/02/2019
Equipe econômica do governo — comandada por Bolsonaro — quer aprovar reforma da previdência ainda este ano. Foto: Agência Brasil
Equipe econômica do governo — comandada por Bolsonaro — quer aprovar reforma da previdência ainda este ano. Foto: Agência Brasil

Reação ao projeto de reforma da previdência antecipado pela "grande mídia" foi bastante negativa entre a maioria dos brasileiros. 

Economia | A partir de 2020, professores terão que atingir obrigatoriamente até 100 anos em pontos para poder se aposentar. Para os demais trabalhadores, limite é de 105 anos. No cálculo, leva-se em conta idade + tempo de contribuição à previdência. 

Dados foram antecipados no site do Estadão dia 4 deste mês. E serão postos em prática — já no ano que vem — se a reforma previdenciária do governo Bolsonaro for aprovada neste 2019. Continua, após o anúncio.

Evolução

Na contagem obrigatória para os docentes e trabalhadores em geral, mulheres iniciam com 81 anos. Homens, com 91. A cada ano é acrescido um ponto, até chegar ao limite de 100 anos em pontuação para professoras e professores. Ao final do processo, só terá aposentadoria integral o educador que tiver no mínimo 40 anos de sala de aula e idade mínima de 60 anos.

Quem conseguirá?

Como se vê pelo quadro comparativo acima, dificilmente um professor conseguirá se aposentar com benefício integral, caso a reforma do novo governo seja aprovada. Na prática, é o fim da aposentadoria especial que os mestres têm hoje. Continua, após o anúncio.

Também sem paridade

Pelas regras atuais, independentemente de com quantos anos alguém se aposente, ativos e aposentados têm direitos aos mesmos reajustes salariais. É a paridade salarial. Com a reforma, a regra geral diz que paridade e integralidade só para os que se aposentarem com idade mínima de 65 anos, isto se tiverem cumprido um mínimo de 40 anos de contribuição.

Em síntese: governo Bolsonaro quer aniquilar o futuro da ampla maioria da população.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também:

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.