Ministério da Economia fala sobre impacto do reajuste do magistério e dá sinal negativo!

03/02/2020

COMPARTILHE!

Educação / Secretário especial diz que percentual de 12,84% foi muito acima da inflação e que isto será considerado nas discussões do pacto federativo, pacto esse que prevê corte de até 25% nos salários do funcionalismo, inclusive da própria educação.

Publicidade

Ministro Paulo Guedes, chefe da equipe econômica do governo Bolsonaro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Ministro Paulo Guedes, chefe da equipe econômica do governo Bolsonaro. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Continuam as articulações contra o piso nacional do magistério. Segundo matéria do jornal Valor Econômico, o secretário especial da Fazenda do Ministério da EconomiaWaldery Rodrigues — afirmou no último dia 30 que o impacto da atualização salarial dos educadores será considerado nas discussões do Pacto Federativo, vez que, segundo ele, o percentual de 12,84% da correção seria muito alto. Isto é um sinal negativo e exige que os professores ajam com urgência para receber o quanto antes o que têm direito. Saiba por que após o anúncio.

O que é o Pacto Federativo e como pode prejudicar o piso do magistério?

O Pacto Federativo é um conjunto de três PECs que o governo Bolsonaro quer aprovar ainda neste primeiro semestre: Emergencial (186), Plano Brasil Maior (188) e a dos Fundos (187). As três são de 2019. 

O trio de projetos visa de conjunto enxugar ainda mais os gastos com o setor público, principalmente nas áreas de Saúde e Educação. A PEC Emergencial, por exemplo, tem como pilar a redução em até 25% no salário e na jornada dos servidores da União, estados e municípios, o que pode atingir em cheio os professores. Continua, após o anúncio.

Ao dizer que o Pacto Federativo vai considerar o impacto do reajuste do magistério nas contas de estados e municípios, o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia está dando um alerta sobre a total incompatibilidade entre as duas coisas, uma vez que na visão dele o índice de 12,84% é alto demais e o Pacto quer cortar despesas com o funcionalismo.

Não à toa, Waldery Rodrigues afirma na matéria do Valor Econômico que, no momento, os 12,84% estão garantidos. Ou seja, a garantia é momentânea até que esse Pacto Federativo seja aprovado e prefeitos e governadores tenham mais uma arma para negá-lo.

Assim, se de fato esse Pacto Federativo for aprovado até o meio deste ano, quem não tiver recebido o reajuste do piso até esse período ficará mais difícil de recebê-lo. 

Por isso é preciso urgência na cobrança desse direitos dos educadores.

Vote na enquete!

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...