Manuel Bandeira e o homem que, mesmo com coronavírus, não pode se isolar

24/03/2020

"O bicho" é a expressão de um mundo caótico, marcado por profundas desigualdades e muita hipocrisia.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: aplicativo Canva.
Foto: aplicativo Canva.

Por *Landim Neto. O coronavírus, através de governantes em todo o mundo, impôs toque de recolher. Os ricos e os setores médios da população estão agora alojados em suas confortáveis casas, sítios, chácaras, fazendas e apartamentos. Têm direito ao que há de melhor em comida, tecnologia, higiene pessoal e entretenimento. Pelas redes sociais, muitos destes replicam, insistentemente e até em tom policialesco, que todos precisam obedecer, para que a peste não se alastre... Continua, após o anúncio.

Há um setor, contudo, que não pode ceder a tal apelo, apelo este de fundo hipócrita, em minha opinião. A milhões de homens, mulheres, crianças e idosos não é dado o direito a seguir sequer a ditadura da Covid-19. Muitos vivem nas ruas ou nos lixões, atrás de comida. 

Outros tantos, amontoados em vilas e favelas, habitam ambientes apertados, sem conforto ou condições adequadas de higiene e alimentação. Não podem também, portanto, aderir ao confinamento, pelo menos tal como aconselham os órgãos ligados à saúde.

Em fevereiro de 1947, o poeta Manuel Bandeira publicou o poema "O bicho". (Leia, ao final do artigo). O texto é a expressão de um mundo caótico, marcado por profundas desigualdades e hipocrisia, tal como se continua a ver nos tempos atuais.

O 'bicho' do Bandeira é o homem de hoje que, mesmo com o coronavírus, não pode se isolar. Isto, naturalmente, o torna ainda mais indesejável para os muito ricos. E também para alguns dos setores médios. Estes, do alto de suas "colônias de férias domiciliares" e ignorância, não conseguem enxergar além do próprio umbigo.

*Landim Neto é editor do Dever de Classe 

 Leia o poema, após o anúncio

O bicho

Manuel Bandeira

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX
CPF 22629149315 . João Rosa Paes Landim Neto

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.