Manuel Bandeira e o homem que, mesmo com coronavírus, não pode se isolar

24/03/2020

"O bicho" é a expressão de um mundo caótico, marcado por profundas desigualdades e muita hipocrisia.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto: aplicativo Canva.
Foto: aplicativo Canva.

Por *Landim Neto. O coronavírus, através de governantes em todo o mundo, impôs toque de recolher. Os ricos e os setores médios da população estão agora alojados em suas confortáveis casas, sítios, chácaras, fazendas e apartamentos. Têm direito ao que há de melhor em comida, tecnologia, higiene pessoal e entretenimento. Pelas redes sociais, muitos destes replicam, insistentemente e até em tom policialesco, que todos precisam obedecer, para que a peste não se alastre... Continua, após o anúncio.

Há um setor, contudo, que não pode ceder a tal apelo, apelo este de fundo hipócrita, em minha opinião. A milhões de homens, mulheres, crianças e idosos não é dado o direito a seguir sequer a ditadura da Covid-19. Muitos vivem nas ruas ou nos lixões, atrás de comida. 

Outros tantos, amontoados em vilas e favelas, habitam ambientes apertados, sem conforto ou condições adequadas de higiene e alimentação. Não podem também, portanto, aderir ao confinamento, pelo menos tal como aconselham os órgãos ligados à saúde.

Em fevereiro de 1947, o poeta Manuel Bandeira publicou o poema "O bicho". (Leia, ao final do artigo). O texto é a expressão de um mundo caótico, marcado por profundas desigualdades e hipocrisia, tal como se continua a ver nos tempos atuais.

O 'bicho' do Bandeira é o homem de hoje que, mesmo com o coronavírus, não pode se isolar. Isto, naturalmente, o torna ainda mais indesejável para os muito ricos. E também para alguns dos setores médios. Estes, do alto de suas "colônias de férias domiciliares" e ignorância, não conseguem enxergar além do próprio umbigo.

*Landim Neto é editor do Dever de Classe 

 Leia o poema, após o anúncio

O bicho

Manuel Bandeira

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX
CPF 22629149315 . João Rosa Paes Landim Neto

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...