Greve Geral e reformas devem agitar magistério a partir de março

24/02/2020

COMPARTILHE!

Educação / Educadores lutam pelo reajuste do piso nacional da categoria e contra reformas reacionárias do governo federal.

Publicidade

Imagem: aplicativo Canva.
Imagem: aplicativo Canva.

A partir de março, o magistério de todo o País deve se agitar em virtude das lutas pelo reajuste do piso nacional da categoria e contra algumas reacionárias reformas do governo federal. 

O Piauí e Minas já estão com as atividades paralisadas e dia 18 está marcada Greve Geral Nacional convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação — CNTE — em defesa do Fundeb. Continua após o anúncio.

A favor do piso e contra as reformas

A pauta principal dos educadores em todo o País, vinculada ao Fundeb, é o reajuste de 12,84% do piso dos professores. Percentual era para estar nos contracheques do pessoal da educação básica de estados e municípios desde janeiro. No entanto, pouquíssimos municípios cumpriram e nenhum Estado pagou.

Outra pauta importante é a luta contra as reformas do governo Bolsonaro. O presidente quer aprovar a Pec Emergencial e a Reforma Administrativa com rapidez. 

A primeira medida prevê até corte de 25% nos salários dos educadores. E a segunda pode enquadrar os docentes como servidores de terceira categoria. Continua, após o anúncio.

A saída é a luta

Aos educadores de todo o País só resta lutar para que seus direitos sejam cumpridos. E é isto o que poderão fazer a partir do mês que vem.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e precisamos de apoio para que possamos manter nossas publicações. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PayPal

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...
Inimigos do magistério insistem na tese falsa de que o critério de reajuste do piso nacional da categoria, fixado na Lei 11.738/2008, perdeu sua eficácia, algo que a CNTE desconstrói facilmente a todo instante, com argumentos baseados na lei. Jurista consultado pelo Dever de Classe orienta educadores a não dar ouvidos às mentiras do governo e CNM,...
Entidade rebate mentiras do MEC e declara em Nota Pública que "mantém o entendimento de plena vigência da Lei 11.738 e lutará pela aplicação do reajuste de 33,23% ao piso do magistério, em todos os entes da federação, seguindo a determinação da ADI 4848, STF."