Mudança / Bolsonaro quer reduzir drasticamente valores de dívidas trabalhistas na Justiça!

02/11/2019

Publicidade

Economia / Medida vai ajudar a engordar ainda mais o caixa das grandes empresas e prejudicar os trabalhadores. Ações que já tramitam na Justiça podem também ser afetadas.

COMPARTILHE!

O presidente Bolsonaro e sua equipe econômica acabam de anunciar mais um golpe na classe trabalhadora. Segundo matéria de hoje (2) do Estadão, governo quer mudar a fórmula de correção dos débitos em ações trabalhistas. Isto reduzirá drasticamente os valores das causas ganhas pelos trabalhadores na Justiça do Trabalho. Continua, após o anúncio.

Atualmente, os valores devidos por uma empresa "são atualizados pelo indicador IPCA-E mais 12% ao ano. O projeto mantém o índice de inflação (IPCA), mas rebaixa o segundo componente da correção para o juro da poupança, que é bem inferior aos 12%. Medida pode valer inclusive para ações que já tramitam na Justiça. 

Perda enorme

Segundo ainda o Estadão, a área econômica do governo calcula que "o estoque de dívidas trabalhistas acaba tendo uma atualização de cerca de 16% ao ano pelas regras atuais — ou seja, o passivo dobra de valor em aproximadamente cinco anos. Com o novo parâmetro, essa correção cairia para algo em torno de 7% ao ano, levando mais de uma década para dobrar de valor." Ou seja, a perda para o trabalhador é muito grande.

"Criação de empregos"

Bolsonaro e sua equipe econômica alegam que a medida vai alegrar o ambiente das empresas e gerar mais empregos. Na verdade, o projeto é para alegrar os empresários, que terão no direito dos trabalhadores mais uma generosa fonte de lucros.

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...