FPM chega a mais de R$ 13,2 bilhões apenas em dezembro

31/12/2021

Crescimento é de 27,93% em relação ao mesmo período de 2020. Prefeitos comemoram.

Majoração de recursos permite reajuste salarial ao funcionalismo, em particular do magistério. Imagem: aplicativo Canva.
Majoração de recursos permite reajuste salarial ao funcionalismo, em particular do magistério. Imagem: aplicativo Canva.

Economia | Prefeitos de todo o País fecham 2021 com os cofres abarrotados de dinheiro relativo ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Apenas em dezembro, FPM somou mais de R$ 13,2 bilhões, 27,93% superior ao mesmo período de 2020. Terceira parcela depositada na quinta-feira (30) na conta dos municípios chegou a R$ 4,1 bilhões. É só festa. Dados estão estampados no site da Confederação Nacional dos Municípios e mostram que gestores podem reajustar salários do funcionalismo, em particular do magistério. Confira mais dados bilionários, após o anúncio.

Crescimento de recursos do FPM

  • Terceira parcela de dezembro: R$ 4.181.790.792,25. Verba é 34,73% maior que o último repasse feito em 2020, segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Caiu ontem (30) nas contas das prefeituras.
  • FPM total de dezembro — três parcelas: R$ 13,2 bilhões, 27,93% maior que o obtido no mesmo período do ano passado.
  • FPM total de 2021: R$ 148,2 bilhões, 34,03% maior que no mesmo período de 2020, cujo montante foi de R$ 119,6 bilhões.

Os prefeitos não têm do que reclamar. Estão literalmente nadando em dinheiro.

Com informações de: CNM


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Sangria nos salários de quem não está mais na ativa se intensificou a partir da Reforma da Previdência criada pelo presidente Bolsonaro. Cortes nos benefícios chegam a até 14% mensais.
R$ 5,4 bilhões entrarão dia 10 nos cofres municipais. Segundo dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o decêndio é 15,24% maior do que o mesmo repasse de janeiro de 2021. Sem dúvidas, um bom incentivo inicial que pode ajudar no pagamento do piso do(a) professor(a).