Diante do atual custo de vida, estudo do DIEESE mostra que salário mínimo deveria ser R$ 5.289,53

09/12/2020

O cálculo é feito levando em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças e segue o que diz a Constituição Federal de 1988.

COMPARTILHE!

Publicidade

Foto/Reprodução.
Foto/Reprodução.

Economia | De acordo com Pesquisa Nacional feita em novembro último pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o custo de vida está muito alto na maioria das capitais do País. Diante disso, e considerando a cesta básica mais cara, no Rio de Janeiro, o DIEESE diz que o salário mínimo nacional deveria ser R$ 5.289,53. Continua, após o anúncio.

Base do cálculo

O DIEESE explica que esse salário mínimo de mais de cinco mil reais para novembro último está calculado para uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças. O DIESSE leva em conta também nos seus cálculos o que diz o item IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988.

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim.

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.