Bolsonaro e ministro querem acabar Filosofia e Sociologia porque 'não dão lucros' ao país! Leia e compartilhe...

26/04/2019
Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Para Bolsonaro, a função do governo é ensinar um ofício que gere renda imediata para a pessoa, algo incompatível, segundo ele e seu ministro da Educação, com as disciplinas ora atacadas

Educação | Jair Bolsonaro e o ministro da Educação Abraham Weintraub anunciaram hoje (26) um duro ataque às disciplinas Sociologia e Filosofia. Para eles, matérias são desnecessárias e dão prejuízos ao país. Na prática, a dupla quer acabar a médio prazo com o ensino dessas áreas nas escolas. Os dois dizem abertamente que o governo deve focar em cursos que deem retorno imediato ao contribuinte, como veterinária, engenharia e medicina


Em sua conta no Facebook, o capitão declarou:

— O Ministro da Educação Abraham Weintraub estuda descentralizar investimento em faculdades de filosofia e sociologia (humanas). (...) O objetivo é focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte, como: veterinária, engenharia e medicina.

A função do governo é respeitar o dinheiro do pagador de impostos, ensinando para os jovens a leitura, escrita e a fazer conta e depois um ofício que gere renda para a pessoa e bem-estar para a família, que melhore a sociedade em sua volta. Continua, após o anúncio.

Ou seja, para Bolsonaro e seu ministro, ensinar uma criança e um jovem a pensar e entender o mundo que o cerca não é lucrativo para a Nação. O certo mesmo, como diz em sua postagem, é só aprender a fazer conta, ler e escrever, para depois arranjar um empreguinho de baixo salário e se tornar um semi escravo dócil e inofensivo aos grandes patrões. 

Em síntese: ou os brasileiros põem para fora o governo Bolsonaro ou o governo Bolsonaro acaba com o Brasil.

Mais recentes:

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....