Com capitalização, governo diz que não sabe como os atuais aposentados e quem hoje está na ativa serão pagos! Leia e compartilhe...

16/03/2019 10:14

Presidente Bolsonaro em entrevista à imprensa. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Presidente Bolsonaro em entrevista à imprensa. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Ao liberar a capitalização, faltará dinheiro para pagar quem está no regime de repartição 

Economia | Além da questão do aumento da idade mínima e do tempo de contribuição para homens e mulheres, a Reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro tem outro gravíssimo problema, reconhecido até por técnicos da equipe econômica: o pagamento dos atuais aposentados e pensionistas, e o pagamento também dos que forem se aposentar pelas regras de transição.

Segundo entrevista publicada hoje (16) na Folha de S.Paulo, Leonardo Rolim declarou que o governo não sabe como vai custear aposentadorias e pensões desse pessoal, caso a reforma seja aprovada e o Regime de Capitalização passe a ser a regra. Rolim é secretário da Previdência e um dos homens fortes da equipe econômica de Paulo Guedes. Entenda a questão a seguir.


Capitalização X Regime de Repartição Simples

Na Previdência pública atual, a arrecadação dos regimes de Repartição Simples se dá pela cobrança de contribuição das pessoas que estão em atividade para o financiamento das aposentadorias e pensões daqueles que já estão aposentados. Ou seja, o aposentado e pensionista não precisam se preocupar, pois seus colegas da ativa garantem todo mês seus benefícios.

Com a reforma, Bolsonaro propõe acabar com o Regime de Repartição Simples e criar o que chama de Regime de Capitalização. Nesse tipo de sistema, cada trabalhador entrega todo mês um percentual do seu salário para um banco gerenciar. Ao final de 40 anos de contribuição, terá direito a uma aposentadoria baseada naquilo que o banco capitalizou desse percentual descontado. Continua, após o anúncio.

Ou seja, cada trabalhador — público ou privado — contribuirá apenas para custear sua própria aposentadoria no futuro. Com isso, como não haverá mais dinheiro sendo injetado no Regime de Repartição, os atuais aposentados e os que estão em vias de se aposentar pelas regras de transição proposta na reforma não terão como receber suas aposentadorias ou pensões. 

Na entrevista que deu à Folha, o secretário da Previdência Leonardo Rolim foi enfático quando a repórter perguntou: Ao liberar a capitalização, faltará dinheiro para pagar quem está no regime de repartição. O governo já definiu como vai custear isso? Resposta dele: NÃO. Isto é algo terrível, que precisa ser compartilhado como um alerta para todo mundo

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também: