Cientista Social diz que novo ministro da Educação é um deturpador do conhecimento

13/07/2020

COMPARTILHE!

Para a pensadora, não há esperanças de uma Educação emancipadora com alguém que tem como prioridade atingir objetivos evangelizadores.

Publicidade

Fabíola de Azevedo Lemos, Cientista Social e professora da Educação Básica. Foto: arquivo pessoal.
Fabíola de Azevedo Lemos, Cientista Social e professora da Educação Básica. Foto: arquivo pessoal.

Educação | A Cientista Social e professora da Educação Básica Fabíola de Azevedo Lemos concedeu entrevista ao Dever de Classe e falou sobre alguns pontos de vista defendidos pelo pastor Milton Ribeiro, novo ministro da Educação. Para a pensadora, Ribeiro é um deturpador do conhecimento, pois tem como prioridade atingir objetivos evangelizadores, o que se contrapõe a uma educação emancipadora no País. A cientista diz ainda que ao defender castigos físicos para crianças, o novo ministro certamente mostra-se contrário ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Confira a íntegra da entrevista, após o anúncio.

O novo ministro da educação defende castigos físicos para crianças como método de ensino. O que você acha disso? 

Alguém que não aceita que a Escola ensine os conceitos preliminares para uma sexualidade saudável, mas a faculta ao direito de castigar fisicamente uma criança, é alguém que certamente condena os direitos assegurados pelo ECA. Obsceno como uma sociedade que naturaliza o trabalho infantil.

O pastor também afirma que nas universidades públicas se ensina "sexo sem limites". De onde você acha que ele tirou esse entendimento? Ver após o anúncio.

Ele adapta os conceitos fundamentais da filosofia existencialista. Essa corrente filosófica é subversiva por expor a condição de liberdade em ruptura à visão teleológica de uma suposta "vida com sentido" tão importante ao projeto fundamentalista cristão. Sem contar que o desejo sexual é, por essência, impossível de ser submetido ao poder. Por isso "perigoso" e "indócil". Seria o cúmulo do retrocesso tirar o pensamento existencialista da grade curricular de um curso de filosofia.

É possível ter alguma esperança em relação a esse novo ministro? Por quê?

Não há esperanças de uma educação emancipadora, vindo de alguém que deturpa o conhecimento a fim de atingir seus objetivos evangelizadores.

Que saídas emergenciais, em sua opinião, há para a educação pública no Brasil?

Estamos em um momento de defensiva. Não vejo condições de buscarmos saída para seguirmos avançando enquanto não derrubarmos esse governo [Bolsonaro]. Dos três apelos utilizados pra eleger Bolsonaro (Segurança, combate à corrupção e moral cristã) só resta justamente o apelo moral, já que os dois primeiros foram bastante desgastados com a dissidência de Sérgio Moro. Esse apelo moral representado nas pautas de costume será acionado ao máximo pra manter sua última base de sustentação. A educação é uma pasta fundamental para esse projeto. Por isso, mais prejuízos ainda estão por vir.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Anúncio

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...