"Não há excesso de professores; há excesso de militares mamando nas tetas do governo", diz docente

17/09/2021

Educadora reage no Facebook à declaração do presidente Bolsonaro que, mais uma vez, atacou os docentes do País.

Publicidade

Bolsonaro detesta professor e só valoriza militares, que estão aos milhares no governo ganhando rios de dinheiro. Foto: Agência Brasil.
Bolsonaro detesta professor e só valoriza militares, que estão aos milhares no governo ganhando rios de dinheiro. Foto: Agência Brasil.

Educação | O presidente Jair Bolsonaro é um mentiroso contumaz. Ao dizer nesta sexta-feira (17) que no Brasil há excesso de professores — e que isso seria um problema — o capitão genocida se firma cada vez mais como um autêntico e irrecuperável Pinóquio. 

A fala do genocida revoltou os educadores. Pelo Facebook, uma professa rebateu a mentira do mentiroso com uma verdade. Veja, após o anúncio.

Professora desmoraliza o genocida

"Deixe de ser mentiroso, Bolsonaro genocida. "No Brasil não há excesso de professores; o que há é excesso de militares mamando nas tetas do governo."

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Facebook, para receber atualizações sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX - Celular 86988453625 João R P Landim Nt

Curta nossa página e receba atualizações sobre este tema!

Mais recentes sobre educação...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.