As onze principais características do pobre de direita! Leia e compartilhe...

18/03/2018 09:31

Kim Kataguiri (MBL), um dos principais ídolos do pobre de direita / Foto: Agência Brasil
Kim Kataguiri (MBL), um dos principais ídolos do pobre de direita / Foto: Agência Brasil

Enviado por Cláudia Santana, de Belo Horizonte-MG | Via e-mail, recebemos o texto abaixo, que reproduzimos na íntegra. É uma precisa caracterização do chamado "pobre de direita".

1. O pobre de direita não passa de um assalariado. Mas age na imaginação como se fosse patrão. 

2. O pobre de direita nunca teve sequer uma máquina manual de moer cana. Mas pensa que é burguês. 

3. O pobre de direita, acima de tudo, odeia as palavras: Esquerda, Socialismo e Comunismo. Mas no geral é incapaz de dizer qualquer coisa inteligível a respeito das mesmas.

4. O pobre de direita se diz patriota. Mas é fã do MBL e do Bolsonaro, que querem entregar as riquezas do Brasil aos EUA. (Continua após o anúncio).

5. O pobre de direita se diz "bem informado". Mas sua principal (e na maioria das vezes única) fonte de informação é o Jornal Nacional.

6. O pobre de direita no geral nunca leu um livro. Mas quer dar opinião sobre arte e cultura.

7. O pobre de direita se diz contra a corrupção. Mas só vota em corruptos e nunca perde a oportunidade de querer passar a perna nos próprios familiares e amigos.

8. O pobre de direita quase sempre é homofóbico. Mas, segundo as "más línguas", gosta também de um chameguinho entre quatro paredes com pessoas do mesmo sexo. (Continua após o anúncio)

9. O pobre de direita quer a intervenção militar no Brasil. Mas reclama de "ditadura" na Venezuela.

10. O pobre de direita quer o Lula na prisão e abomina o PT. Mas nunca dispensou o FIES, Prouni e outros programas sociais criados pelos petistas.

11. Enfim, o pobre de direita se acha o tal. Mas não passa de um ridículo e risível otário.

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | Quem fala mal da ditadura militar ocorrida de 1964 a 1985 no Brasil é porque só sabe ver as coisas por um lado. Esse período não é o inferno pintado nas redes sociais por comunistas e mortadelas. Não. A ditadura militar foi muito boa, sim.