Com péssima aceitação, apenas os mais ricos ainda toleram Bolsonaro, mostra Datafolha!

08/12/2019

Publicidade

Economia Maioria do povo não acredita em nada do que o presidente diz, aponta instituto.

COMPARTILHE!

A credibilidade do presidente Bolsonaro está cada dia mais rasteira. Segundo pesquisa Datafolha divulgada ontem (7), 42% dos entrevistados não creem em nada do que o capitão fala. Outros 37% afirmaram que só confiam às vezes. E apenas 19% acreditam sempre no que ele diz. Consulta mostra também que entre os menos endinheirados — ampla maioria da população —, a popularidade do presidente é um desastre. Somente os mais ricos, "religiosos" e brancos ainda o toleram, conforme veremos após o anúncio.

Ruim/péssimo

O Datafolha mostra em sua pesquisa divulgada ontem (7) que entre os setores de renda mais baixa, isto é, a ampla maioria da população, a popularidade de Bolsonaro é um desastre. Entre os que o consideram ruim ou péssimo, em (%):

  • mulheres: 41; mais jovens (16 a 24 anos): 41; mais pobres: 43; pretos: 46; desempregados: 48; indígenas: 50; nordestinos: 50; adeptos de religiões afrobrasileiras: 55.

Ótimo/bom

Segundo a mesma pesquisa Datafolha, o capitão só é tolerado entre os mais ricos, brancos e "religiosos". Veja, em %:

  • homens: 35; ensino superior: 35; brancos: 37; evangélicos neopentecostais: 39; moradores do sul: 40; mais de 5 salários mínimos: 54; empresários: 58.
Será que ele consegue chegar ao final do mandato?

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...