Com péssima aceitação, apenas os mais ricos ainda toleram Bolsonaro, mostra Datafolha!

08/12/2019

Publicidade

Economia Maioria do povo não acredita em nada do que o presidente diz, aponta instituto.

COMPARTILHE!

A credibilidade do presidente Bolsonaro está cada dia mais rasteira. Segundo pesquisa Datafolha divulgada ontem (7), 42% dos entrevistados não creem em nada do que o capitão fala. Outros 37% afirmaram que só confiam às vezes. E apenas 19% acreditam sempre no que ele diz. Consulta mostra também que entre os menos endinheirados — ampla maioria da população —, a popularidade do presidente é um desastre. Somente os mais ricos, "religiosos" e brancos ainda o toleram, conforme veremos após o anúncio.

Ruim/péssimo

O Datafolha mostra em sua pesquisa divulgada ontem (7) que entre os setores de renda mais baixa, isto é, a ampla maioria da população, a popularidade de Bolsonaro é um desastre. Entre os que o consideram ruim ou péssimo, em (%):

  • mulheres: 41; mais jovens (16 a 24 anos): 41; mais pobres: 43; pretos: 46; desempregados: 48; indígenas: 50; nordestinos: 50; adeptos de religiões afrobrasileiras: 55.

Ótimo/bom

Segundo a mesma pesquisa Datafolha, o capitão só é tolerado entre os mais ricos, brancos e "religiosos". Veja, em %:

  • homens: 35; ensino superior: 35; brancos: 37; evangélicos neopentecostais: 39; moradores do sul: 40; mais de 5 salários mínimos: 54; empresários: 58.
Será que ele consegue chegar ao final do mandato?

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...